Você está aqui: Página Inicial / NOTÍCIAS / Implantação do 5G no Brasil motiva criação de think tank na USP

Implantação do 5G no Brasil motiva criação de think tank na USP

IEA, EP e IRI ciram o Think Tank em Implantação do 5G no Brasil, cujo primeiro debate, com o tema Por Que e para Que o 5G no Brasil?, será no dia 3 de setembro, às 9h.

Torre de telecomunicaçõesA USP agora conta com um fórum sobre a nova tecnologia de telefonia móvel 5G, sua implantação no país e os impactos que terá em vários setores nos próximos 20 anos.

Chamado Think Tank em Implantação do 5G no Brasil, o fórum é uma realização colaborativa do Universidade que tem como empreendedores iniciais o IEA, a Escola Politécnica (EP) e o Instituto de Relações Internacionais (IRI). A primeira fase de atividades terá início com debate em dia 3 de setembro, às 9h [leia abaixo].

O objetivo do think tank é elaborar propostas de políticas públicas voltadas aos aspectos sociais, econômicos, políticos e de relações internacionais ligados à implantação e disseminação do 5G. Em paralelo, o fórum pretende colaborar com a conscientização da sociedade em geral sobre as implicações do uso da tecnologia em áreas como saúde, ambiente, cidades, negócios, entre outras.

Primeiro debate

No dia 3 de setembro, às 9h, acontece o primeiro debate da primeira fase de atuação do think tank, destinada a homogeneização de conhecimentos sobre a tecnologia 5G, seu uso e impactos.

O tema será Por Que e para Que o 5G no Brasil? Marcia Ogawa Matsubayashi (Delloite) Flavio Grynszpan (Fiesp) e Rodrigo Santana dos Santos (Anatel) serão os debatedores.

Moacyr Martucci Junior (EP e IRI- USP) atuará como moderador do encontro, que terá Jamile Sabatini (Abés) como relatora,

O debate será online e todos os interessados poderão acompanhar ao vivo pela internet, sem necessidade de inscrição.

O funcionamento do think tank será articulado em três fases: homogeneização de conhecimentos, estruturação e operação. A fase de homogeneização de conhecimentos será constituída pelo debate de 3 de setembro e outros cinco sucessivos. Deles participarão representantes da sociedade civil, do governo, da indústria e da academia. Será produzido um documento síntese de cada debate e os cinco serão discutidos, editados e publicados.

Com base nos resultados dos debates será estruturada a operação do think tank, com a definição do método a ser adotado, temas, stakeholders, produtos e cronograma. Os participantes dessa fase serão as pessoas que demonstrarem interesse durante a fase de debates, respeitando-se a diversidade de opiniões e conhecimentos.

Em seguida, o projeto entra em operação. Nessa fase, o debate e a tomada de posições devem ser permanentes, sempre considerando a evolução da tecnologia, as padronizações, a implantação em nível mundial e a experiência de uso das novas aplicações baseadas na filosofia do 5G.

Homogeneização de conhecimentos

Nos cinco debates cobrindo os impactos sociais, econômicos, políticos e de relações internacionais resultantes do uso do 5G, os aspectos tecnológicos serão analisados levando em conta sua evolução e estado da arte.

Cada debate terá duração de duas horas, com exposição dos debatedores e respostas a perguntas do moderador e dos participantes. O ciclo terá um sexto debate para consolidação dos resultados alcançados. Os temas e objetivos dos encontros são:

  • Por Que e para Que o 5G no Brasil? (3 de setembro, 9h) – debater os motivos que tornam a implantação do 5G interessante ou não para o Brasil, considerando as aplicações verticais (agronegócio, cidades inteligentes, indústria e saúde);
  • Aspectos Econômicos da Implantação de 5G no Brasil – analisar as implicações econômicas em um cenário de conectividade e ubiquidade e estabelecer comparações com o cenário de atraso na implantação da tecnologia no Brasil;
  • Aspectos Sociais da Implantação de 5G no Brasil – discutir implicações sociais em um cenário de conectividade e ubiquidade computacional, antevendo o impacto na sociedade desse cenário, com aplicações que utilizam massivamente dados e técnicas de inteligência artificial; efetuar comparação com o cenário de atraso na implantação da tecnologia no país.
  • Aspectos Políticos da Implantação de 5G no Brasil – debater as implicações políticas da adoção e implantação do 5G no Brasil, considerando a necessidade de adequação da legislação, da regulação e da relação da sociedade com a tecnologia;
  • Relações Internacionais e a Implantação de 5G no Brasil – analisar a influência das relações internacionais e da diplomacia científica e da inovação na adoção e implantação do 5G no Brasil;
  • Encerramento da Fase de Homogeneização de Conhecimento – discutir as opiniões manifestadas nos debates anteriores com o objetivo de consolidar dados para a estruturação do think tank e elaboração do documento final da primeira fase.

 


Por Que e para Que o 5G no Brasil?
(1º debate da fase Homogeneização de Conhecimentos do Think Tank em Implantação do 5G no Brasil)
3 de setembro, das 9 às 11h
Evento online ao vivo
aberto a todos os interessados, sem necessidade de inscrição
Mais informações: com Sandra Sedini, sedini@usp.br
Página do evento

Foto: Needpix