Você está aqui: Página Inicial / NOTÍCIAS / IEA e Faculdade de Medicina lançam documentário sobre dificuldades de locomoção na região do HC

IEA e Faculdade de Medicina lançam documentário sobre dificuldades de locomoção na região do HC

por Fernanda Rezende - publicado 01/09/2017 18:05 - última modificação 15/09/2017 13:45

Filme 'Dis'Mobilidade Urbana será lançado no dia 20 de setembro, na Faculdade de Medicina, e exibido no encerramento da Virada da Mobilidade, no dia 23, na sala 2 do Cinearte, no Conjunto Nacional.

Capa documentário 'Dis'MobilidadeO acesso ao maior complexo hospitalar da América Latina, o Hospital das Clínicas (HC) da USP, foi documentado em um filme produzido pelo IEA e a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), em parceria com o HC e a Escola de Comunicação e Artes (ECA) da USP. 'Dis'Mobilidade Urbana mostra as dificuldades de locomoção e transporte que envolvem a região do HC e como isso afeta seus pacientes, principalmente aqueles que têm mobilidade reduzida.

O documentário será lançado no dia 20 de setembro, às 13h, durante o encontro Novos Olhares sobre a ‘Dis’Mobilidade no Complexo do HC, que acontece no Anfiteatro da Fisiologia da FMUSP e integra a programação da Semana da Mobilidade da Faculdade. Após a exibição, haverá debate com a presença de Saldiva e das professoras da Medicina Linamara Rizzo Battistella, secretária de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, e Julia Maria D'Andréa Greve; a diretora da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP, Helena Ribeiro; o geógrafo Rafael Gândara Calabria e o jornalista Matthew Shirts.

Três dias depois, 23 de setembro, o filme encerrá a programação da Virada da Mobilidade, numa exibição às 17h na sala 2 do Cinearte, no Conjunto Nacional. Para falar do filme e de seu tema central, Saldiva e Meli Malatesta, especialista em mobilidade a pé e por bicicleta, farão a exposição "Humanos e Urbanos: uma Caminhada na Fronteira entre Saúde e Doença nas Ruas de São Paulo". Para participar, é necessário realizar inscrição prévia.

O filme e o HC

A ideia de fazer o filme surgiu da percepção dos funcionários da Comissão de Sustentabilidade da FM de que era necessário fazer algo novo para a Semana da Mobilidade da FMUSP.

O objetivo do projeto era captar com as lentes aquilo que os olhos muitas vezes não enxergam, e levar essa visão às autoridades, num segundo momento, a fim de propor soluções viáveis e dignas a esse problema.

O filme foi produzido pela jornalista Fernanda Cunha Rezende, que coordena a área de comunicação do IEA, com apoio dos funcionários do Instituto, da FMUSP e médicos do HC. O roteiro e edição são de Diego Machado.

O Hospital das Clínicas (HC) recebe, por ano, mais de 1,44 milhão de pessoas para realização de consultas e exames, além de 200 mil atendimentos de emergência e 78,8 mil internações. Considerando acompanhantes e profissionais da área, são milhares de pessoas circulando diariamente na região.

O complexo compreende (em relação a atendimento ao paciente) o Instituto Central, Instituto de Psiquiatria, Instituto da Criança, Instituto do Coração, Instituto de Ortopedia e Traumatologia, Instituto de Radiologia, Instituto de Medicina Física e de Reabilitação, e Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp). O Icesp fica localizado na Av. Dr. Arnaldo, enquanto todos os demais estão concentrados na Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, que conecta a Av. Rebouças à Rua Teodoro Sampaio.

Para chegar a esses locais, a maioria dos pacientes utiliza transporte público. Casos mais graves chegam por ambulâncias, as quais também são utilizadas para transportar pacientes de outros municípios, num sistema de caronas nos veículos das prefeituras.

Quem vai de ônibus, desce na Av. Rebouças ou na Rua Teodoro Sampaio e caminha até o local de atendimento. O filme mostra que esse percurso de 100 m a 600 m – dependendo da unidade de destino – apesar de parecer curto, chega a durar 30 minutos para um paciente com AVC, neuropatia, obeso, idoso, cegos ou com qualquer outra dificuldade de locomoção. No meio do caminho, obstáculos dificultam ainda mais a caminhada: subidas e descidas, calçadas estreitas e esburacadas, piso tátil interrompido, camelôs etc.

Um dos pacientes que integram o filme relata que levou duas horas de casa até o hospital, trocou de condução três vezes, caminhou até o local e, após o atendimento, descobriu que ficaria internado por uma semana com um problema cardíaco. Outra personagem do documentário é a mãe e uma criança cadeirante de oito anos de idade. Para sair do metro Clínicas e chegar à Av. Dr. Arnaldo, elas precisam contar com a boa vontade de alguém para carregar a cadeira, enquanto a mãe sobe com a criança no colo, já que não há elevador conectando a estação à calçada da avenida.

As histórias dos pacientes são intercaladas por depoimentos de funcionários e médicos do HC, que presenciam diariamente situações em que o trânsito na Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar e região pode ser determinante na vida humana.

Além de mostrar os problemas, o documentário é ainda uma tentativa de chamar a atenção das autoridades para a necessidade de mudanças no trânsito e na infraestrutura do local.

Foto: Divulgação HC-USP

 


 

Novos Olhares sobre a ‘Dis’Mobilidade no Complexo do HC
20 de setembro, às 13h
Anfiteatro de Fisiologia da Faculdade de Medicina da USP, na Av. Dr. Arnaldo, 455, 3º andar – sala 3303
Evento gratuito e sem inscrição

 

Encerramento da Virada da Mobilidade
23 de setembro, às 17h
Sala de cinema Cinearte 2, no Conjunto Nacional, na Av. Paulista, 2073
registrado em: ,