Você está aqui: Página Inicial / EVENTOS / Riscos & Saúde Pública

Riscos & Saúde Pública

por Rafael Borsanelli - publicado 28/06/2019 11:20 - última modificação 25/10/2019 12:02

Detalhes do evento

Quando

de 15/10/2019 - 09:30
a 15/10/2019 - 16:00

Onde

Sala Alfredo Bosi, Rua da Praça do Relógio, 109, térreo, Cidade Universitária, São Paulo

Nome do Contato

Telefone do Contato

(11) 3091-1686

Adicionar evento ao calendário

2o seminário do ciclo "As Várias Faces do Risco e os Desafios da Educação na Sociedade contemporânea"

No segundo encontro, a temática de risco será abordada na perspectiva da epidemiologia enquanto ciência da Saúde Coletiva. O risco será tratado como um dos pilares na formação e validação do discurso e da legitimação institucional da epidemiologia. A proposição da noção de “homem dos riscos” dos anos 1990 será revisitada face ao cenário contemporâneo, no qual os sistemas virtuais e digitais colocam desafios à própria ideia de risco e a produção/reprodução de efeitos sobre a vida humana. Em termos da Saúde Coletiva, a fusão de horizontes promovida pela hiperconectividade pede diálogo entre áreas antes compartimentalizadas e define novos tipos de riscos para os quais ainda não há caracterização e que demandam novas construções teóricas e de ação.

Sobre o ciclo

Desde a publicação da obra "Sociedade de Risco: Rumo a uma Outra Modernidade” (1986), de Ulrich Beck, uma grande quantidade de trabalhos tem retomado as discussões e análises sobre como os conhecimentos científicos e tecnológicos determinaram a vida em sociedade e modificam as noções de segurança, confiança, perigo e risco.

As recentes evidências sobre as mudanças climáticas deram um contorno especial a este debate recolocando a questão do risco civilizatório na agenda atual, na qual o progresso da sociedade industrial e a sustentabilidade parecem se negar mutuamente. Dentro deste cenário de conflitos, pelo menos uma esperança parece emergir: a educação poderá desempenhar papel fundamental na superação dos impasses entre melhoria da qualidade de vida e preservação do meio ambiente.

O ciclo de seminários terá com meta fornecer subsídios para esses debates e avançar na compreensão e superação de alguns desafios da educação científica na contemporaneidade.

Coordenação

Mauricio Pietrocola (FE e IEA - USP)

Público-alvo

Aberto a todo o público acadêmico interessado no assunto, em particular, alunos de graduação, e pós-graduação, pesquisadores e profissionais de todas as áreas de conhecimento.

Inscrições

Evento público e gratuito | Com inscrição prévia

Não há necessidade de inscrição para assistir à transmissão on-line.

Capacidade do auditório: 43 lugares

Onde estamos

Programação

9h30

Recepção e Abertura

10h

A gênese do conceito epidemiológico de risco e algumas de suas implicações para os alcances e desafios contemporâneos da saúde coletiva

A epidemiologia nasce com a Modernidade, na emergência de uma leitura científica do chamado “espaço público da saúde”. A formalização da ciência epidemiológica, entretanto, só se completa no século XX, em torno ao conceito de risco, central na sua validação discursiva e legitimação institucional. Pretendo explorar, com base em uma hermenêutica do processo de conformação discursiva da epidemiologia, os horizontes normativos e as bases proposicionais que sustentaram a construção do conceito de risco, assim como os diálogos que se abrem a partir de uma fusão de horizontes desse processo com alguns dos interesses práticos da Saúde Coletiva de nossos dias.

José Ricardo Ayres (FM-USP)

12h

Intervalo

14h

O Homem dos Riscos (Reloaded)

Em 1991, provocado pelo Manifesto Cyborg de Donna Haraway, escrevi um pequeno ensaio intitulado “O homem dos riscos”, primeiro publicado em "A Clínica e a Epidemiologia" (1992). Então, propus que o conceito epidemiológico de risco opera discursos capazes de construir mundos fictícios formados por populações abstratas e que a noção clínica de risco individual povoa esses universos com simulacros de pessoas, definidos por probabilidades de adoecer e morrer. Esse texto foi revisitado por Sevalho (2002) e por Portella et al (2016), com diferentes perspectivas críticas, indicando analogias e contrastes com a ideia de “homem lento” cunhada por Milton Santos. Neste mundo atual, ademais virtual, o “homem dos riscos” se materializa em dimensões paralelas, sob condições próprias de produção/reprodução de efeitos sobre a vida humana, mediante processos socio‑históricos que, nos termos da saúde, implica uma morbidade cyborg.  A partir das controvérsias geradas nessas quase três décadas, considerando novas interfaces da Epidemiologia, pretendo atualizar a proposição original com uma noção reloaded de “sujeitos de riscos”, seres já pós-humanxs, mas ainda modernxs, imersxs em ecologias de saberes-e-práticas de predição, prevenção, precaução e promoção da saúde e da vida, neste e-mundo trans-cartesiano e pós-clínico, distopia quase-matrix, transmudado pela hiperconectividade e assombrado pela necropolítica.

Naomar Almeida (IEA-USP)

Evento com transmissão em: http://www.iea.usp.br/aovivo