Você está aqui: Página Inicial / EVENTOS / Macrometrópoles de Alta Densidade: São Paulo e Xangai

Macrometrópoles de Alta Densidade: São Paulo e Xangai

por Cláudia Regina - publicado 14/08/2017 09:55 - última modificação 11/09/2017 14:20

Detalhes do evento

Quando

de 12/09/2017 - 14:30
a 12/09/2017 - 16:30

Onde

Sala de Eventos do IEA, Rua Praça do Relógio, 109, bl. K, 5º andar, Cidade Universitária, São Paulo

Nome do Contato

Telefone do Contato

11 3091-1686

Adicionar evento ao calendário

François Moriconi-Ébrard mostra que, no momento em que a China se torna uma das primeiras potências econômicas mundiais, não é muito surpreendente de descobrir que a população de suas duas maiores aglomerações pulverizou o recorte mundial precedente detida em 2000 por Tokyo. As dimensões das conurbações de Xangai (79,7 milhões de habitantes) e de Guangzhou (47,5 milhões de habitantes) estão à altura das daquele país, de sua demografia, das escolhas de desenvolvimentos recentes se apoiando em cidades, e de seu prodigioso e constante crescimento econômico desde algumas décadas.

Cathy Chatel analisa o caso do Brasil, que possui duas das megacidades do planeta de acordo com a definição de Nações Unidas: São Paulo e Rio de Janeiro. Uma enorme pressão demográfica e fundiária pesa sobre estas duas cidades. Em São Paulo, 28 milhões de habitantes vivem, trabalham e viajam diariamente neste espaço de 17.580 km2, uma densidade residencial de 1.593 habitantes por km2, digna do delta do Nilo. Rio Janeiro reúne 13 milhões de pessoas em 8.816 km2, uma densidade de 1.483 habitantes por km2, dimensões comparáveis ​​a Moscou, Istambul ou Buenos Aires.

No entanto, o ritmo de crescimento dessas cidades tem caído no último meio século, ficando agora bem abaixo do crescimento nacional. A metodologia do trabalho foi reconstruir a partir "de baixo" (bottom-up) toda a hierarquia urbana do país a partir de uma definição estritamente morfológica das áreas urbanas. Esta abordagem permite verificar que há de fato um atrator do tamanho da população que está atualmente cerca de 500.000 habitantes. Ele também destaca o papel das funções políticas administrativas e territoriais, especialmente das capitais de Estado.

O objetivo de Roberta Fontan é desvendar os espaços rurais inter-metropolitanos no território da Macrometrópole Paulista (MMP), identificando-os através da análise de seus aspectos sociodemográficos e físico-territoriais e das suas transformações. Como método de trabalho apoia-se na construção de uma cartografia temática que revela as características intrínsecas às categorias mencionadas, definem-se critérios de ruralidade. A pesquisa foi conduzida pela hipótese de que a classificação do território brasileiro em “rural” e “urbano” adotada pelo IBGE e fixada pelos municípios, em geral baseada em critérios arbitrários envolvendo interesses locais, não esclarece sobre as reais dimensões do “rural” e do “urbano”.

Inscrições

Evento público e gratuito | Com inscrição prévia

Público on-line não há necessidade de inscrição.

Programação

Evento com transmissão em: http://www.iea.usp.br/aovivo