Você está aqui: Página Inicial / EVENTOS / Memorabilia para os 90 Anos da USP: Quem e o que é a USP? Memórias Iluministas, Sonhos, Quimeras e Profecias

Memorabilia para os 90 Anos da USP: Quem e o que é a USP? Memórias Iluministas, Sonhos, Quimeras e Profecias

por Sandra Sedini - publicado 16/05/2024 09:10 - última modificação 16/05/2024 13:07

Detalhes do evento

Quando

de 22/05/2024 - 13:00
a 22/05/2024 - 17:30

Onde

IEA, Sala Alfredo Bosi, Rua Praça do Relógio, 109, térreo, Cidade Universitária, São Paulo

Nome do Contato

Adicionar evento ao calendário

O lugar do tempo é sem medida, onde cada um de nós toca, simultaneamente, épocas distantes. O fluir aparente, a imobilidade pressentida, pertencem à natureza do tempo.

Proust

É maio de 2024.

Em janeiro a USP completou 90 anos de sua fundação.

Passados quarenta anos de seu cinquentenário, a que nos remeteria o filme “O Brasil, os índios e, finalmente, a USP” (*) feito em sua comemoração e sobre a história da Universidade. Descrito por Marcello G. Tassara, seu diretor, como um filme-espelho de outrora, dedicado que foi “a Paul Arbousse-Bastide que amou a USP por todos nós e aos que, porventura, virem sua própria imagem refletida nesse imenso espelho sem fronteiras”, a que hoje nos remeteria?

Se sua poética, em 1984, nos estertores dos vinte anos do governo ditatorial, emanava uma gramática política, hoje, nos leva a um passado em sépia, cuja existência e sentido buscamos concretizar em nossas reminiscências, na esperança de cumprir o vaticínio do diretor – o do espectador encontrar a própria imagem nele refletida. Mas qual imagem? a da própria USP que Arbousse-Bastide, como Professor membro da Missão Francesa que participou de sua fundação, tanto teria amado?

Falando sobre a USP, o filme-espelho, em sua totalidade narrativa, oferece outras chaves para resolução do enigma do encontro almejado. Trata-se do destino desta enorme, abrangente, complexa, profunda e metamorfoseante comunidade, cujas existência-sentido se corporificam em seu destino e se fundamentam em memórias, reminiscências de onde o respirar de uma ética transcendente leva à formação de uma consciência filosófica e científica. Reconhecer-se, porém, implica compreender o florescimento da auto-consciência.

O filme O Brasil, os índios e, finalmente, a USP, hoje, embora documentário em sua concepção, se apresenta como uma espécie de saga hibridizada pela ficção. Na cuidadosa seleção de testemunhos, sons e imagens nele orquestrados, não há mais como dissociar sua estrutura do “enredo”. Juntam-se todos colimando para uma questão que permanece aberta hoje, 2024, à espera de um destino profetizado: quem e o que é a USP?

Hoje não há mais como não inserir tal saga documental-ficcional no entendimento do tempo que, como disse Nietzche, é um eterno recomeço sem fim. Mas, também não há como não significá-lo, em uma sua leitura contemporânea, em uma sucessão de fins-mortes: a morte do cinema ótico e, também, como em um devaneio, o esvaziamento da crença humanista/iluminista da possibilidade de uma ciência ética.

Em conclusão, o documentário comemorativo do cinquentenário, a nosso ver, apresenta-se como um bem arqueológico cuja apreciação, talvez, venha a abrir caminhos para a procura exitosa de veredas conduzindo a USP a um destino ético, do ponto de vista científico e humano.

(*) O Brasil, os índios e, finalmente, a USP (Disponível para acesso no IPTV USP, Documentário de longa-metragem,16mm, 150 min., 1988, direção: Marcello G. Tassara)

SINOPSE

Roda de Conversa com Eda Tassara (coordenadora do Grupo de Pesquisa Política Ambiental do IEA)

Transmissão

Acompanhe a transmissão do evento em www.iea.usp.br/aovivo

Inscrições

Evento público e gratuito | Sem inscrição

Evento on-line | Não haverá certificação

Organização

Grupo de Pesquisa Política Ambiental

Programação