Você está aqui: Página Inicial / NOTÍCIAS / Rede IEA

Rede IEA

por Aziz Salem - publicado 08/08/2016 14:40 - última modificação 14/01/2020 11:32

6 professores da USP recebem o Prêmio Trajetória pela Inovação 2019

por Mauro Bellesa - publicado 03/12/2021 14:26 - última modificação 03/12/2021 14:26

Prêmio Trajetória pela Inovação 2019 - 1º/12/2021
Professores premiados (a partir da esq.): Guilherme Ary Plonski e Marco Henrique Terra; e os representantes de Benedicto Wladermir de Martin (José Soares Ferreira Neto), Ivanildo Hespanhol (Alexandra Hespanhol) e José Carlos Pettorossi Imparato (Giulio Gavini); Myriam Krasilchik foi representada pelo diretor da Faculdade de Educação, Marcos Garcia Neira

Os professores Benedicto Wlademir de Martin (FMVZ), Guilherme Ary Plonski (FEA, EP e IEA), José Carlos Pettorossi Imparato (FO), Marco Henrique Terra (EESC), Myriam Krasilchik (FE) e, in memoriam, Ivanildo Hespanhol (EP) receberam o Prêmio Trajetória pela Inovação 2019 em cerimônia na Sala do Conselho Universitário no dia 1º de dezembro.

Concedido pela Reitoria, Pró-Reitoria de Pesquisa e Agência USP de Inovação, o prêmio é um reconhecimento pela excelência dos resultados de pesquisas e ações atingida pelos laureados em suas contribuições para inovações científicas, tecnológicas ou culturais, cooperando assim para a excelência do resultado institucional e para o desenvolvimento socioeconômico do país. A cerimônia da premiação referente a 2019 ocorreu este mês devido aos impedimentos provocados pela pandemia para que se realizasse em abril de 2020.

Participaram da solenidade o reitor Vahan Agopyan, o vice-reitor Antonio Carlos Hernandes, o pró-reitor de Pesquisa, Sylvio Canuto, a pró-reitora de Cultura e Extensão Universitária, Maria Aparecida Machado, o diretor da Agência USP de Inovação, Marcos Nogueira Martins, dois premiados (Guilherme Ary Plonski e Marco Henrique Terra) e representantes dos outros quatro (Benedicto Wlademir de Martin, José Carlos Pettorossi Imparato, Ivanildo Hespanhol e Myriam Krasilchik). Coube a Plonski fazer o discurso de agradecimento pelos seis agraciados.

Ele destacou o fato de o adiamento da cerimônia ter permitido que ela ocorresse apenas um dia depois de o Conselho Universitário aprovar a Política de Inovação da USP, que deverá ser revisada no prazo máximo de um ano pela nova gestão da Universidade, que terá início com a posse dos novos reitor e vice-reitor em de janeiro.

Interdisciplinaridade

Plonski observou que a busca de maior interdisciplinaridade é "um desafio ainda presente na USP e no meio universitário brasileiro em geral", além de uma das diretrizes do IEA desde sua criação há 35 anos. Afirmou que o Instituto tem dado atenção especial nos anos recentes em atividade que contribuam para o incremento da interdisciplinaridade também na graduação, em particular na formação voltada ao ensino de ciências, por intermédio da Cátedra Alfredo Bosi de Educação Básica, parceria do IEA com o Itaú Social.

Uma das variáveis-chave para o êxito nas inovações mais ousadas "é uma bem cuidada transformação cultural", disse. "Por isso, é importante reconhecer que mudanças dessa natureza não podem ser feitas 'por decreto'. Requerem escuta, diálogos e investimento paciente – certamente de tempo e, quando necessário, também de recursos materiais". Plonski saudou a acolhida e o envolvimento da Pró-Reitoria de Graduação nesse movimento: "Temos convicção de que essa participação ativa prosseguirá na próxima gestão".

A essência da inovação é criar realidades novas, tenha a inovação ênfase tecnológica, social, educacional, cultural, sanitária, artística, administrativa ou qualquer outra pela qual se queira segmentá-la, segundo ele. "O vigor da ideia-força da inovação depende, primeiro e acima de tudo, da capacidade de estabelecer e manter conexões robustas e honestas entre agentes diversos, constituindo o que alguns chamam de ecossistemas de inovação. Tão fácil de entender, tão desafiador conseguir", afirmou.

Novas demandas

Plonski concluiu propondo uma reflexão sobre a inovação do futuro: "No Brasil e no mundo, por várias décadas, ligávamos inovação à geração de empregos e ao crescimento econômico. Agora também esperamos da inovação resultados 'inclusivos', resultados 'sustentáveis' e, nestes tempos de COP26, resultados 'verdes'.

Isso é o que parcelas crescentes da sociedade esperam da inovação, inclusive os gestores públicos, disse.  Frisou, no entanto, que a satisfação dessa demanda depende de respostas a duas questões: "Como incorporar essas novas expectativas nas políticas públicas voltadas à inovação? E qual a métrica adequada para verificar não apenas o quanto geramos de inovação, mas também para que e para quem ela foi gerada?".

Livro que resgata a importância do arroz e feijão na nutrição é publicado pela Embrapa

por Fernanda Rezende - publicado 22/11/2021 17:45 - última modificação 23/11/2021 09:32

Capa Livro - Arroz e feijão Alimentos de grande valor nutricional e que caracterizam o padrão tradicional de consumo alimentar no Brasil, o arroz e o feijão são importantes também do ponto de vista econômico, sociológico e ambiental. Apesar disto, o consumo destes grãos vem caindo no país, ao mesmo tempo em que refeições baseadas em preparações culinárias são substituídas por produtos que aumentam o risco para adoecer. É o que afirmam os autores do livro "Arroz e Feijão - tradição e segurança alimentar", editado pela Embrapa e que será lançado no dia 29 de novembro, às 9h, em seminário online. O evento de lançamento do livro é uma parceria entre o Grupo Nutrição e Pobreza do IEA e o SIG-Dietética/NutriSSAN.

O livro tem texto de Semíramis Domene, coordenadora do grupo do IEA, que em colaboração com Natália Simonian e Josiane Steluti, da Unifesp, escreveu sobre a importância nutricional da tradicional dupla do prato do brasileiro.

Editado por Carlos Magri Ferreira e José Alexandre Freitas Barrigossi, do Centro Nacional de Pesquisa de Arroz e Feijão da Emprapa, a obra reúne textos que tratam de aspectos histórico-culturais, de consumo, comportamentais e nutricionais relativos ao arroz e ao feijão, entre outras abordagens que contribuem para a melhoria da percepção das pessoas sobre a importância destes alimentos para a alimentação cotidiana. O prefácio é de Carlos Augusto Monteiro.

Universidades latino-americanas discutem reconstrução do desenvolvimento econômico e social

por Mauro Bellesa - publicado 12/07/2021 11:50 - última modificação 12/07/2021 12:09

De 13 a 15 de julho, a revista britânica “Times Higher Education” (THE) e a USP realizam o Latin America Universities Summit, cujo tema geral é “Universidades para o Bem Público: Reconstruindo o Desenvolvimento Econômico e Social”.

O objetivo do encontro virtual é examinar como o ensino superior latino-americano pode desenvolver estratégias para melhor capacitar-se, adaptar-se à digitalização, aumentar seu impacto estratégico e ampliar a percepção pública do papel das universidades em sociedades em evolução.

Lideranças de universidades latino-americanas e parceiros delas de outras partes do mundo tratarão da internacionalização das universidades da região, de como elas podem fortalecer seu trabalho em ciências sociais e humanidades, reforçar parcerias com o setor privado e reposicionar-se como agentes de mudanças positivas.

Os temas específicos dos três dias são, respectivamente: “As Universidades Maximizando seus Impactos”, “O Desafio da Internacionalização” e “Construindo Capacidade para Construir Impacto”.

O encontro terá expositores do Brasil, Peru, Colômbia, Chile, Canadá, Estados Unidos e Reino Unido. Entre os brasileiros estão o reitor Vahan Agopyan e outros dirigentes da USP, o diretor do IEA, Guilherme Ary Plonski, e a ex-conselheira do IEA Claudia Costin.

Durante o encontro haverá o lançamento do THE Latin America University Rankings 2021, com uma exposição detalhada sobre os dados mais recentes apurados pelo levantamento.

A participação é gratuita para representantes de universidades, organismos governamentais e organizações não governamentais. A inscrição permitirá acesso a todas as sessões bem como solicitar gravações das sessões depois do evento.

Livro comemora 11 anos do Encontro Paulista de Museus

por Mauro Bellesa - publicado 05/07/2021 16:20 - última modificação 08/07/2021 20:03

Capa do livro "Panorama Reflexivo"No dia 7 de julho, às 15h, será lançado o ebook "Panorama Reflexivo – 11 anos de Encontro Paulista de Museus”, em evento online organizado pelo Sistema Estadual de Museus de São Paulo (Sisem-SP),  organismo da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, e pelo Fórum Permanente (FP).  O livro trata de conceitos, políticas, redes, ações, público e memória a partir das contribuições das 11 edições do Encontro Paulista de Museus (EPM). O lançamento será transmitido no canal do Sisem-SP no Youtube.

Participam do bate-papo virtual: o responsável pelo projeto gráfico do ebook, Arthur Lauriano do Carmo; o coordenador do FP, Martin GrossmannDiogo de Moraes Silva, integrante do FP; a diretora executiva da Associação Cultural de Apoio ao Museu Casa de Portinari (Acam Portinari), Angelica Fabbri; e o diretor do Grupo Técnico de Coordenação do Sistema Estadual de Museus (GTC/Sisem-SP), Davidson Kaseker. Grossmann, Silva e Diego de Kerchove, também integrante do FP, são os organizadores do volume.

O livro é uma edição do Sisem-SP, da Acam Portinari e do FP. A proposta de sua produção foi apresentada pelo FP ao Sisem-SP e à Acam Portinari no início de 2018. De acordo com os editores, "a obra traz textos dos principais dirigentes envolvidos em mais de uma década de construção e manutenção de uma política pública voltada aos museus paulistas". Também conta com uma seleção de relatos críticos produzidos para cada edição, além de um relato crítico retrospectivo sobre as principais mesas e desdobramentos de cada edição dos EPMs, entre outros materiais inéditos".

O EPM teve sua primeira edição em 2009 e continuou a ser realizado anualmente, com o intuito de colocar em prática as metas do Sisem-SP de divulgação e compartilhamento de informações entre os quase 500 museus que compõem a rede museal do Estado. "Todas as atividades propostas nos EPMs permitiram "a troca de conhecimento e a constituição de uma base sólida de ferramentas para a profissionalização dos museus e suas equipes".

Podcast trata do imaginário das cidades de São Paulo, Lyon e Saint-Étienne

por Mauro Bellesa - publicado 18/05/2021 21:05 - última modificação 18/05/2021 21:04

Já está disponível o segundo episódio da série de podcasts "Entre França e Brasil: Atualidades da Cooperação Científica". Desta vez o tema é "Les Imaginaires Urbains: Saint-Étienne, Lyon et São Paulo".

Os entrevistados são Michel Rautenberg, professor de sociologia na Universidade de Lyon, e Artur Rozestraten, professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP. Os dois obtiveram um financiamento dentro do acordo UDL-Fapesp para realizar um projeto sobre as imagens e os imaginários de Lyon e São Paulo.

A série de podcasts apresenta ao público não especializado pesquisas realizadas no âmbito de projeto de cooperação franco-brasileira. A realização é do Consulado Geral da França em São Paulo (CGF) e do Polo Brasil do Instituto das Américas (IdA).

Curta-metragem baseado no projeto Amazônia 4.0 vence prêmio de melhor documentário em festival europeu

por Letícia Martins Tanaka - publicado 18/05/2021 17:39 - última modificação 18/05/2021 17:39

O filme Amazônia 4.0 - The Reset Begins, inspirado no projeto homônimo desenvolvido pelo climatologista e pesquisador sênior do IEA, Carlos Nobre, ganhou o prêmio de melhor documentário em competição mensal do Europe Film Festival UK. A obra tem 25 minutos de duração e pode ser assistido gratuitamente no link. O festival é composto por seletivas mensais em que o júri analisa curtas e longas-metragens. Na competição de abril, a produção venceu como Melhor Documentário na categoria Prêmio Especial do Júri e se qualificou para participar da principal cerimônia do festival, realizada anualmente.

O projeto Amazônia 4.0 propõe um novo modelo de desenvolvimento econômico e social que tem a manutenção da floresta como base de produção, articulando o uso de novas tecnologias, potencial biológico e conhecimento tradicional. “Nosso papel é tornar a Amazônia a primeira potência socioambiental da biodiversidade. Os povos indígenas vivem há 12 mil anos na Amazônia com a floresta em pé e promovendo o bem-estar a partir dos recursos da floresta. Temos, então, que criar algo novo, como combinar os conhecimentos tradicionais com os modernos conhecimentos científicos e desenvolver essa nova bioeconomia”, afirma Nobre.

Lançado no Dia da Terra, 22 de abril, o documentário foi dirigido por Alan Teixeira e produzido pelos executivos Ricardo Assumpção e Ione Anderson, respectivamente CEO e COO da Plataforma Grape ESG. A produção visa aumentar a conscientização do público nacional e internacional sobre as principais questões em torno da sustentabilidade da Amazônia, bem como discutir as dificuldades enfrentadas pelos povos tradicionais da floresta e as populações urbanas locais.

No curta, o climatologista apresenta explicações sobre a origem das políticas de desmatamento, as ameaças que a floresta enfrenta e as possibilidades para reverter a situação. Didaticamente, Nobre também comenta sobre os perigos de savanização das florestas tropicais, afirma ser possível zerar o desmatamento e conclui: “Uma bioeconomia que mantenha as florestas, os rios e a biodiversidade, com justiça social e com sustentabilidade é totalmente possível de ser implementada na Amazônia.”

O filme é permeado por imagens da Amazônia e junta as falas de Nobre com depoimentos de outros especialistas, como Nicole Schwab, codiretora da plataforma para acelerar soluções baseadas na natureza do Fórum Econômico Mundial; Mercedes Bustamante, professora da UNB eleita membro da Academia de Ciências dos EUA; Luiz Fernando Furlan,  ex-ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior; e o CEO da Grape ESG.

Luís Carlos de Menezes lança o livro "Educar para o Imponderável"

por Nelson Niero Neto - publicado 15/04/2021 17:50 - última modificação 15/04/2021 17:48

Coordenador acadêmico da Cátedra de Educação Básica, o professor Luís Carlos de Menezes está lançando neste mês seu novo livro, Educar para o Imponderável — Uma Ética da Aventura. Na obra, Menezes trata questões que, na sua compreensão, levam a condição humana a um impasse: a exclusão social, a degradação ambiental e a violência sectária agravadas por populismos autoritários.

Percorrendo a história e a evolução da espécie humana, ele vislumbra uma ética para educar jovens diante de um futuro imponderável, para que tenham consciência de sua condição como integrantes ativos da biosfera, não apenas seus moradores, e como protagonistas da história, não seus meros observadores.

Até o final de abril, o livro pode ser comprado pelo preço promocional de R$ 39,00. Acesse este link para adquirir a obra.

Unicamp, Unesp, Ministério Público e grupo do IEA realizam curso multidimensional de direitos humanos

por Letícia Martins Tanaka - publicado 12/04/2021 14:35 - última modificação 26/04/2021 17:33

 Paulo Endo - PerfilO Grupo de Pesquisa em Direitos Humanos, Democracia e Memória (GPDH) do IEA é um dos realizadores do “Curso Internacional de Direitos Humanos: uma Abordagem Multidimensional", que acontece até o dia 16 de abril. A formação foi elaborada em conjunto com a Diretoria Executiva de Direitos Humanos (DeDH) da Unicamp, Instituto de Políticas Públicas e Relações Internacionais (IPPRI) da Unesp e o Ministério Público do Trabalho da 15a Região.

Em duas semanas de aula, o curso objetiva proporcionar uma compreensão ampla, multifacetada e interdisciplinar dos direitos humanos, de modo a oferecer aos participantes formação abrangente e referências atuais que sirvam para orientar sua atuação judicial e extrajudicial na defesa, reparação e promoção dos direitos humanos.

Com uma perspectiva relacional entre direito, política e sociedade, a formação assume um ponto de vista histórico e político para apresentar a criação das instituições e normativas institucionais, desenvolvendo uma abordagem sociocultural a fim de discutir problemas relacionados aos direitos humanos que se colocam no cotidiano de juristas e outros atores. Assim, propõe-se a analisar as relações entre direito internacional e interno, as complementaridades e tensões entre normas jurídicas e práticas sociais, assim como as formas de interação entre agentes e destinatários nas políticas de promoção.

Para os organizadores do curso, a defesa, proteção e promoção dos direitos humanos supõem a transversalidade de diversos temas, campos e problemas sociais desde a Conferência de Viena de 1993,  através dos princípios da indivisibilidade, interdependência e inter-relação de todos os direitos humanos, bem como de sua complementaridade com a democracia e desenvolvimento.

Eles argumentam que formação em direitos humanos deve ter caráter multidisciplinar. "Isso é especialmente relevante para o cenário atual em que enfrentamos desafios inéditos de caráter sistêmico, postos pela crise do capitalismo financeiro, crise ecológica global, epidemias e pandemias, problemas urbanísticos, além da ascensão de movimentos abertamente autoritários e contrários aos direitos humanos, tanto no plano internacional quanto nacional”, afirmam os organizadores. Para eles, em uma sociedade desigual, que preserva insulamento burocrático no Estado e padrões culturais autoritários, a promoção e implementação dos direitos humanos enfrenta grandes dificuldades para sua efetiva realização.

Livro "Afetando Tecnologias, Maquinando Inteligências" é lançado em versão digital e aberta

por Nelson Niero Neto - publicado 05/04/2021 16:36 - última modificação 05/04/2021 16:36

Capa do Livro Afetando Tecnologias, Maquinando InteligênciasDesdobramento de uma conferência realizada com apoio do IEA no início de 2020, o livro Afetando Tecnologias, Maquinando Inteligências foi lançado em versão online e gratuita. Realizado por um grupo de cerca de 20 pesquisadores, o livro tem textos e exercícios experimentais envolvendo tecnologia e Inteligência Artificial a partir de perspectivas do Sul Global, feminista, decolonial, ou antirracista.

Segundo os organizadores, o livro foi pensado para ser, “concomitantemente, um registro histórico de um poderoso encontro entre pesquisadores internacionais que pensam o campo tecnológico sob um ponto de vista crítico; e um material em português e em inglês que supra parte da falta de bibliografia sobre o tema para além do discurso hegemônico do Norte Global”.

Clique aqui para acessar gratuitamente a obra.

Yvonne Mascarenhas receberá prêmio da Sociedade Brasileira de Física por suas contribuições acadêmicas

por Nelson Niero Neto - publicado 02/03/2021 16:40 - última modificação 02/03/2021 16:40

Yvonne Mascarenhas - PerfilA pesquisadora Yvonne Mascarenhas receberá neste ano o prêmio Joaquim da Costa Ribeiro, concedido pela Sociedade Brasileira de Física (SBF) aos que contribuíram, ao longo da carreira, para a Física da Matéria Condensada e de Materiais no Brasil. Ela é a primeira mulher a receber a homenagem. O prêmio será entregue durante o Encontro de Outono da Sociedade Brasileira de Física, programado para ocorrer em junho.

Com mais de 60 anos de trajetória acadêmica, Yvonne é professora aposentada do Instituto de Física de São Carlos, onde também foi diretora. Na última década, passou a se dedicar à difusão científica voltada para o apoio ao ensino fundamental e médio. No IEA, foi vice-coordenadora do Polo São Carlos, que ajudou a criar, e hoje é professora honorária e pesquisadora colaboradora da Cátedra de Educação Básica.

Em seu site, a SBF destacou as contribuições de Yvonne como pesquisadora, orientadora acadêmica e gestora de instituições de pesquisa e ensino de Física e Química. Leia mais clicando aqui.