Você está aqui: Página Inicial / EVENTOS / Biomonitoramento Humano: Como Podemos Usar nossos Corpos para Monitorar a Exposição Química

Biomonitoramento Humano: Como Podemos Usar nossos Corpos para Monitorar a Exposição Química

Detalhes do evento

Quando

de 21/11/2016 - 10:00
a 21/11/2016 - 12:00

Onde

Sala de Eventos do IEA, Rua da Praça do Relógio, 109, Bloco K, 5° andar, Cidade Universitária, São Paulo

Nome do Contato

Adicionar evento ao calendário

Dentro da  União Europeia e dos Estados Unidos da América foram registados cerca de 100 mil  produtos químicos diferentes. Aproximadamente 40 mil deles são economicamente relevantes e são produzidos em quantidades tão elevadas que podem atingir o meio ambiente e os corpos humanos.

No final do século passado, os estados europeus não lograram avaliar os riscos para a saúde humana dos produtos químicos nos grandes programas que foram conduzidos pelos governos. Uma nova legislação europeia (REACH) transferiu para os produtores a responsabilidade pela avaliação dos riscos para a saúde e a segurança dos produtos químicos.

Para o público e para o governo é essencial controlar a exatidão da avaliação de risco executada pela indústria. O biomonitoramento humano tornou-se a ferramenta mais importante para controlar de forma independente a exposição humana. Os fluidos corporais e tecidos humanos são examinados quanto à contaminação com poluentes. Assim, por exemplo, os níveis de mercúrio no sangue ou os níveis de ingredientes plásticos na urina de indivíduos ou populações podem ser analisados.

O biomonitoramento humano desempenha um papel essencial na saúde ambiental e na avaliação dos níveis de poluição na população, em grupos populacionais ou em  indivíduos. A vantagem do biomonitoramento humano consiste em registar a contaminação interna real de um organismo que pode vir de fontes diferentes e ser absorvida  de diferentes formas (via o trato respiratório, pela boca ou através da pele).  As características particulares de uma pessoa em relação à absorção, metabolismo e excreção alimentam assim os resultados diretamente. No que diz respeito à avaliação da exposição a poluentes de indivíduos e à contaminação de grupos populacionais, o biomonitoramento humano oferece,  frequentemente, as análises mais realistas.

Na Alemanha, dois grandes programas de biomonitoramento humano foram realizados desde a década de 1980:

O Banco de Espécimes Ambientais coleta amostras de sangue e urina de 500 alunos anualmente desde 1985. Estas amostras são armazenadas a -150 °C em nitrogênio líquido. Este programa de arquivamento permite a detecção de tendências do tempo de exposição interna retrospectivamente.

O Estudo Alemão de Saúde Ambiental GerES é realizado a cada 6 anos como um estudo transversal de indivíduos  representativamente escolhidos. Este estudo permite determinar a exposição média da população alemã e relacionar a exposição a fatores ambientais como a qualidade do ar interior.

Os resultados desses estudos serão apresentados e sua importância para o aconselhamento de políticas com base científica será discutido.

Expositor:

Andreas Gies  (Agência Ambiental da Alemanha)

Coordenador:

Marcos Buckeridge (IEA-USP/ACIESP)

Inscrições

Evento gratuito, aberto ao público, em inglês, sem tradução e sem inscrição.

Capacidade da sala: 55 lugares

Onde estamos

Evento com transmissão em: http://www.iea.usp.br/aovivo