Você está aqui: Página Inicial / Revista

Capa Revista Estudos Avançados V 29 N 85

Crise econômica

Aspectos do desemprego 

O espaço considerável reservado, neste número de Estudos Avançados, ao tema do desemprego no Brasil de ontem e de hoje reflete a gravidade de um problema que afeta um número crescente de trabalhadores nos setores formal e informal. Felizmente não temos diante dos olhos apenas o lado sombrio do diagnóstico. A maioria dos textos aponta caminhos de saída da crise atual. Veja abaixo alguns destaques.

Recessão 

Carteira de trabalho

Desemprego

Diante das políticas de ajuste econômico, conforme observado em 2015 em que fez reaparecimento a recessão, interessa conferir a intensidade dos efeitos sobre o mercado de trabalho, sobretudo o comportamento da taxa de desemprego. Utiliza-se como referência a evolução do índice que mede a taxa de desemprego no Brasil metropolitano nos primeiros seis meses de adoção das políticas de ajuste econômico.


Mercado de trabalhoe

Desenvolvimento 1

Crescimento econômico

Políticas e medidas a serem tomadas visando reverter o aumento do desemprego, da informalidade, da precarização das condições de trabalho e da queda da renda, considerando a necessidade de articular uma trajetória de transição para o crescimento econômico, orientada pelo fortalecimento do mercado interno de consumo, pelo investimento e incremento e partilha da produtividade.


Agricultura

Emprego agrícola

Emprego agrícola

As principais mudanças estruturais que ocorreram no setor agrícola nas últimas décadas e seus impactos sobre o comportamento do emprego agrícola, as principais características do emprego agrícola no país, com ênfase na participação desse tipo de emprego no conjunto do emprego do país, e as tendências para esse tipo de emprego nos próximos períodos.


Políticas públicas

Jovens desempregados

Jovens

Transformações demográficas, elevação do ritmo de crescimento econômico, políticas sociais e voltadas para o mercado de trabalho, como esse contexto afetou positivamente as formas de inserção dos jovens no mercado de trabalho brasileiro entre 2004 e 2015, tendências que foram colocadas em risco com o recente processo de estagnação da economia.