Você está aqui: Página Inicial / EVENTOS / Questões Centrais da Crise nos Cursos de Engenharia

Questões Centrais da Crise nos Cursos de Engenharia

Detalhes do evento

Quando

de 27/08/2020 - 15:00
a 27/08/2020 - 17:00

Onde

On-line

Nome do Contato

Adicionar evento ao calendário

Webinar

O final da segunda década do século XXI foi marcado por crise sem precedentes na formação de engenheiros em nosso país.

O lançamento do PAC em janeiro de 2007 promoveu grande avanço da profissão devido à expectativa de elevados investimentos em infraestrutura - da ordem de 250 bilhões de dólares do governo central – que exigiria, nos quatro anos seguintes, 250 mil engenheiros, muito acima da capacidade de formação de nossas escolas.

Em consequência, foram criados vários incentivos à formação de mais engenheiros, desde o programa Pró-Engenharia da CAPES até as políticas de incentivos do FIES (para o setor privado) e do REUNI para o setor público, que resultaram em um aumento de 50% na oferta de cursos de Engenharia no Brasil, nem sempre obedecendo aos padrões de qualidade desejáveis. Até então, a procura pela Engenharia no Brasil era inferior ao que se observava na OCDE e na China, por exemplo.

No entanto, por uma série de razões políticas e econômicas, a previsão anunciada em razão do PAC não ocorreu, ao contrário, aumentou o desemprego na profissão afastando muitos jovens dessa carreira. A demanda dos estudantes para as Engenharias é uma das que mais segue as variações do PIB nacional.

Assim, a nova década começa com notícias de fechamento de escolas de Engenharia. O fechamento é fato que causa impacto e pode ser medido, no entanto, o fechamento “silencioso”, ou seja, aquele traduzido pela redução na oferta de matrículas ou por vagas ociosas não é devidamente analisado, ou até mesmo conhecido e, sem dúvida, é elevado, sem mencionar outros fatores como os altos índices de evasão que ocorrem nas Engenharias. Há uma carência de dados e análises sistemáticas destes dados para embasar políticas educacionais de ensino superior e avaliar a repercussão destas políticas.

Este evento tem como finalidade apresentar e discutir o tema buscando responder a essas questões:

Quais são, afinal, os dados mais importantes para a gestão e tomada de decisões sobre a Engenharia no país? O que nos mostram os países líderes? Que medidas podem e devem ser tomadas para reverter este quadro negativo? Como poderão se organizar as IES para acompanhar as oscilações da demanda na formação de engenheiros e atrair mais estudantes? Deve existir uma política de incentivos para diminuir as nefastas consequências das flutuações da demanda em áreas importantes para o desenvolvimento do país, como a Engenharia?

Organizadores Acadêmicos: José Roberto Cardoso, Ex-diretor da Escola Politécnica da USP e Roberto Lobo, ex-reitor da USP e da UMC.

Expositor:

Roberto Lobo, Instituto Lobo e IEA USP

Debatedores:

Marcello NitzPró-Reitor Acadêmico do Instituto Mauá de Tecnologia

Simon Schwartzman, Instituto de Estudos de Política Econômica (Casa das Garças) e membro da Academia Brasileira de Ciências.

José Roberto Cardoso, EP USP

Transmissão

Acompanhe o evento on-line em iea.usp.br/aovivo

Inscrições

Evento on-line, público e gratuito | Sem inscrição

Organização

IEA