Você está aqui: Página Inicial / NOTÍCIAS / Seminário discute as características do Antropoceno

Seminário discute as características do Antropoceno

por Mauro Bellesa - publicado 08/03/2018 13:25 - última modificação 23/04/2018 16:00

"Conversa sobre o Antropoceno" é o tema do seminário que acontece no dia 24 de abril,às 14h, na Sala Alfredo Bosi do IEA.
Chaminé
Impacto das ações humanas no ambiente determina uma nova época geológica: o Antropoceno

A geoquímica Sonia Maria Barros de Oliveira, professora do Instituto de Geociências (IGc) da USP, e o jornalista Reinaldo José Lopes, editor de Ciência do jornal "Folha de S.Paulo", serão os expositores no seminário Conversa sobre o Antropoceno, no dia 24 de abril, às 14h, na Sala Alfredo Bosi do IEA. O evento será aberto ao público, gratuito, sem inscrição e com transmissão ao vivo pela internet.

O coordenador do seminário, o economista José Eli da Veiga, professor sênior do Instituto de Energia e Ambiente (IEE) da USP, destaca que o termo Antropoceno para designar a época atual passou a ser de uso corrente a partir da virada do século graças ao cientista holandês Paul J. Crutzen, prêmio Nobel de química em 1995 por descobertas atmosféricas.

O objetivo de Crutzen foi diferenciar a nova fase do planeta daquela do Holoceno, iniciada há mais de 11 mil anos, quando do começo do processo civilizatório. A nova época tem como marca distintiva a forte participação humana como força ambiental, capaz de produzir profundas alterações climáticas no planeta.

"Em 2000, num importante encontro científico em Cuernavaca, no México, depois de ouvir repetidas menções de paleontólogos ao Holoceno, Crutzen balbuciou o termo Antropoceno em irritado repente. O rótulo já tinha sido usado informalmente 20 anos antes pelo biólogo americano Eugene F. Stoermer a partir da compreensão possibilitada por vários precursores, entre os quais o geoquímico russo Vladimir I. Vernadsky, que no início do século 20 renovara a visão da biosfera."

No Holoceno, surgiram práticas agropecuárias que aos poucos viabilizaram a minimização de sistemas extrativistas, dependentes de coleta, caça e pesca. "Esse longo processo agora entre em etapa das mais enigmáticas, principalmente por causa da inteligência artificial, chamada por alguns de 'inteligência cognitiva'", explica Veiga.

A passagem do Holoceno ao Antropoceno ainda foi oficializada pela comunidade científica. É possível que isso ocorra no próximo congresso mundial de geologia, em 2020. "O argumento dos que se opõem à denominação parece bem fraco, pois apenas alegam que os registros estratigráficos disponíveis ainda não se tornaram suficientemente robustos."

Veiga ressalta, no entanto, que os argumentos favoráveis à proposta de Crutzen são suficientemente heterogêneos para que mereçam um exame mais atento dos pesquisadores, "particularmente daqueles que também estudam a já trintenária utopia do 'desenvolvimento sustentável' e/ou seu resultante novo valor, a 'sustentabilidade'".


Conversa sobre o Antropoceno
24 de abril, às 15h
Sala Alfredo Bosi, rua da Praça do Relógio, 109, térreo, Cidade Universitária, São Paulo
Evento gratuito e sem necessidade de inscrição - Transmissão ao vivo pela internet
Mais informações: Sandra Sedini (sedini@usp.br), telefone: 3091-1678
Página do evento

Foto: Pexels