Projeto

Diálogos Interculturais é um grupo interdisciplinar e interinstitucional. Essa formação nos permite o diálogo entre culturas disciplinares distintas, assim como o contato entre membros de instituições universitárias e, portanto, membros de culturas institucionais de ensino superior distintas.

Busca viabilizar o debate entre pesquisadores de diferentes áreas do conhecimento que, por meio de enfoques teóricos específicos e metodologias próprias às suas áreas, investigam o fenômeno do contato entre culturas e suas repercussões para o indivíduo, o grupo e a sociedade a fim de ampliar referências, promover interlocuções e elaborações acerca da interculturalidade.

O grupo tem como meta, portanto, instaurar diálogos no campo interdisciplinar na busca da interlocução, ampliação e articulação de focos, problematizações e estratégias que permitam uma maior aproximação em relação à complexidade dos fatores decorrentes do contato entre culturas. Contato esse decorrente dos deslocamentos humanos nas suas mais diversas formas, como e/i-migração ‘voluntária’ (abrangendo, assim, migrantes, imigrantes, emigrantes, expatriados, intercambistas) ou forçada, como no exílio, refúgio, escravidão, contato com culturas nativas/autóctones.

Abrange dimensões como identidade nacional, identidade étnica/racial, identidade cultural, subjetividade, alteridade, gênero, relações intergrupais, preconceito/discriminação, ética/violência, estética cultural, percepção, multiculturalismo, tradução, bilingüismo, classe, entre outros, já foco de estudos dos integrantes do grupo serão expostos, apresentados, discutidos, articulados e problematizados.

Uma formação que cremos ser propícia à ampliação de referências, promoção de interlocuções, ampliação e articulação de focos, problematizações e estratégias acerca da interculturalidade e as implicações que o contato entre culturas representa para o indivíduo, o grupo e as sociedades.

Objetivos

Os deslocamentos humanos fazem parte da história da humanidade. Na migração temos o encontro entre pessoas de diferentes culturas, sejam de culturas regionais, nacionais e autóctones. Uma situação concreta que nos remete ao campo psicossocial em que para entender o que se passa no campo das subjetividades, precisamos entender o contexto. Sayad (1998) aponta para a complexidade do fenômeno migratório entendido como  um fato social completo e de natureza interdisciplinar. A fim de nos aproximarmos das várias facetas envolvidas no encontro entre culturas, nos pautamos em  uma abordagem intercultural, uma visão ampla, dinâmica e flexível dos fenômenos psicossociais (Lambert, 1980) fundamentada em uma ampla base de teorias para organizar dados e análises, a partir da interseção dialética das dimensões universais,  éticas, o e específicas, êmicas, desse fenômeno.

O grupo como o próprio nome indica pretende viabilizar  o debate entre pesquisadores de distintas áreas do conhecimento que por meio de enfoques teóricos específicos e metodologias próprias às suas áreas investigam o  fenômeno do contato entre culturas e suas repercussões para o indivíduo, o grupo e a sociedade  a fim de ampliar referências, promover interlocuções e elaborações acerca da interculturalidade. Trata-se, portanto, de instaurar diálogos no campo interdisciplinar na busca da interlocução, ampliação e articulação de focos, problematizações e estratégias que permitam uma maior aproximação em relação à complexidade dos fatores decorrentes do contato entre culturas. Dimensões como identidade nacional, identidade étnica/racial, identidade cultural, alteridade, gênero, relações intergrupais, preconceito/discriminação, ética/violência, estética cultural, percepção, multiculturalismo, bilingüismo, entre outros, já foco de estudos dos integrantes do grupo serão expostos, apresentados,  discutidos,  articulados e problematizados.

Tal proposta pretende instigar a reflexão teórica desses problemas e para tal o grupo pretende desenvolver no IEA  as seguintes atividades:

 

  • Promover estudos que estabeleçam sínteses do conjunto de outros estudos e pesquisas que vêm sendo apresentados nos últimos anos, tendo como tema central as conseqüências do contato entre culturas regionais ou nacionais.
  • Promover debates por meio de mesas-redondas e conferências em loco e via conferência on-line com os integrantes do grupo em São Paulo e os integrantes do grupo fora do Estado de São Paulo e do Brasil. O intuito destes é  permitir a exposição da pluralidade de pontos de vista sobre  diferentes situações do contato entre culturas.  Para tanto, os debates serão organizados em temáticas previamente determinadas com questões orientadoras que sejam suficientemente provocadoras de discussão e reflexão e apontem posteriormente para continuidade das elaborações realizadas
  •  

    Justificativa

    Em tempos de crescentes demonstrações sutis ou extremas de xenofobia, intolerância, discriminação étnico/racial, conflitos culturais tanto no âmbito político quanto no âmbito da vida particular, tais fatos concretos apontam para a complexidade envolvida no encontro entre culturas. As conseqüências do contato entre culturas têm sido um desafio que pede urgentemente novas estratégias para que respostas desgastadas e perversas possam preventivamente ser contornadas a partir de novas concepções e implementações de idéias e políticas públicas nas várias esferas da vida humana. Os deslocamentos humanos nas suas mais diversas formas, como e/i-migração ‘voluntária’ ou forçada (como no caso da escravidão), exílio, refúgio, contato com culturas nativas/autóctones, envolvem um processo de aculturação que, como argumenta Denys Cusche (1999), renovou profundamente a concepção que os pesquisadores tinham de cultura.  Parte-se agora da aculturação, que supõe o contato entre culturas, para compreensão da cultura. Toda cultura é um processo permanente de construção, desconstrução e reconstrução que em tempos de rápidos deslocamentos e constante contato intercultural torna-se extremamente dinâmico.

    O Grupo de Estudos sobre Diálogos Interculturais pretende dar continuidade a linha desenvolvida no âmbito do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo no sentido de oferecer contribuições desta instituição ao esclarecimento das questões mais profundas que afetam os encontros e desencontros entre grupos humanos de distintos sistemas culturais. Pretende-se, como resultado das atividades que se desenvolverão, colaborar com a sociedade civil e as diversas instâncias do Estado na formulação e indicação de medidas que efetivamente aprofundem a reflexão e os objetivos comprometidos com a construção da cidadania e o enfrentamento dos desafios que vivemos nos mais diversos âmbitos institucionais, de educação, saúde, organizacional, comunitário, familiar.

     

    Atividades Propostas

    1. Estudos e Debates Interdisciplinares

    Palestras, conferências e Mesas-redondas presenciais e on-line

    Atividade envolvendo os vários participantes do grupo em âmbito nacional e internacional. Através desta atividade cumprimos tanto com o objetivo de promover o diálogo entre estudiosos e a articulação entre diferentes perspectivas e/ou focos assim como tornamos acessível e público esse debate. Mesmo quando da apresentação de um palestrante ou conferencista, teremos a presença do debatedor ou debatedores a fim de propiciar novos olhares sobre o fenômeno tratado. Serão realizadas reuniões mensais e ou bimestrais com o grupo presencial a fim de elaborar a programação e propostas de conferências e mesas-redondas.

    Neste sentido, tivemos uma conferência inicial dentro desta proposta com o professor Lorenzo Agar da universidade do Chile e assessor do Ministério da Saúde do Chile que proferiu palestra sobre “Diálogos interculturais entre jovens árabes e judeus no Chile” no dia 17 de novembro do presente ano. Além disso, há um compromisso de além da divulgação por meio de encontros presenciais e  on-line acessíveis ao público em geral,  produzir artigos e/ou livros a partir das atividades realizadas.

    2. Levantamento e análise de artigos sobre interculturalidade na revista Estudos Avançados.

    Através deste estudo resgata-se no IEA a história deste tema,  investigando os temas e concepções presentes nos artigos analisados.

     

    Integrantes do grupo

    Em São Paulo

    Sylvia Duarte Dantas - Coordenadora do grupo “Diálogos Interculturais” no IEA

    Possui graduação em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1986), mestrado em Psicologia Aplicada - Boston University (1992) e doutorado em Psicologia Social - Boston University (1999). Através de projeto Pro-Doc CAPES idealizou e coordena o Serviço de Orientação Intercultural no Instituto de Psicologia. É lider do grupo de pesquisa Psicologia, E/Imigração e Cultura cadastrado no diretório nacional de grupos de pesquisa do CNPq.Tem experiência na área de Psicologia social e clínica em docência, pesquisa, orientação, intervenção, supervisão e assessoria organizacional intercultural. Atua principalmente nos temas: psicologia intercultural, psicanálise, orientação e psicoterapia breve intercultural, intervenção psicossocial, gênero, e/i-migração, expatriação, identidade étnica/cultural, preconceito, processos de inserção cultural. Co-autora do livro " Líder de mudança e grupo operativo", 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1985, 1996; Autora do livro "Changing gender roles: Brazilian immigrant families in the U.S.", New York: LFB scholarly publishing LLC, 2002, autora e co-organizadora do livro "Psicologia, E/Imigração e Cultura", São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004, entre outros. Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/8283401196410951.

    Ligia Fonseca Ferreira

    Possui graduação em Letras [Francês / Português / Linguística] pela Universidade de São Paulo (1981) , graduação em Licenciatura Plena em Letras [Francês] pela Universidade de São Paulo (1983) , especialização em Formação de conselheiros pedagógicos pela Bureau Pour l Enseignement de La Langue Et de La Civilisation Françaises (1986) , especialização em D E A Estudos portugueses e brasileiros pela Universite de Paris IV (Paris-Sorbonne) (1988) , mestrado em Análise semiolingüística do discurso pela Universite de Paris XIII (Paris-Nord) (1981) e doutorado em Estudos portugueses e brasileiros pela Universite de Paris III (Sorbonne-Nouvelle) (1994) . Atualmente é Diretora de Formação e atividades culturais da Aliança Francesa de São Paulo.. Tem experiência na área de Letras , com ênfase em Línguas Estrangeiras Modernas. Atuando principalmente nos seguintes temas: Luís Gama, Luiz Gama, Literatura brasileira século XIX, Sátira no Brasil século XIX, Negros na literatura, Campanha abolicionista e republicana e Negros no Brasil. Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/1111954468533520.

    Maura Pardini Bicudo Véras

    Possui graduação em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1964), mestrado (1980) e doutorado (1991) em Ciências Sociais (Sociologia Política) e livre docência (2001) pela PUC São Paulo. Realizou pós doutorado Institute d'Etudes Politiques de Paris, com apoio CAPES 1999/2000. Atualmente é Professora titutlar do Departamento de Socologia e Programa de Estudos Pós Graduados em Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, onde foi eleita Reitora para o período 2004-2008.. Tem experiência na área de Planejamento Urbano e Regional, com ênfase em Serviços Urbanos e Regionais, atuando principalmente nos seguintes temas: cidade, desigualdade, pobreza, exclusão social e habitação. É autora, entre outros, de Trocando olhares, uma construção sociológica (EDUC, NOBEL 2000) e DiverCidade: territórios estrangeiros como topografia da alteridade em São Paulo (EDUC 2004), além de artigos e capítulos de livros em periódicos nacionais e estrangeiros. Orientou cerca de 60 trabalhos entre dissertações de mestrado e teses de doutorado, além de monografias de conclusão de curso e iniciação científica. É pesquisadora IB do CNPq, líder do Grupo de Pesquisa NEPUR Núcleo de estudos e Pesquisas Urbanos PUCSP e desenvolve pesquisa sobre Estrangeiros na Metrópole Desigual (Bolsa produtividade CNPq). Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/2378577743839256.

    Adriana Capuano de Oliveira

    Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1993), mestrado em Sociologia pela Universidade Estadual de Campinas (1997) e doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (2004). Atualmente é professor assistente doutor MS-3 da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Campus de Franca). Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em Sociologia das Migrações Humanas, atuando principalmente nos seguintes temas: migrações internacionais, brasileiros residentes no exterior, Brasil-Japão, Brasil-EUA, identidades culturais, nacionalismos, relações internacionais. É coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisa em Migrações Internacionais da Unesp/ Franca, MIGREPI.
    Endereço para acessar este CV:  http://lattes.cnpq.br/218619436715574.

    Koichi Mori

    Possui graduação em Faculty of Economics And Political Science pela Meiji University (1978) , mestrado em Ciência Política - reconhecido pela USP pela Meiji University (1982) e doutorado em Ciências Sociais - reconhecido pela USP pela Tohoku University (1994) . Atualmente é funcionário da Universidade de São Paulo e pesquisador do Ministério da Educação e Ciência do Japão. Tem experiência na área de Letras , com ênfase em Línguas Estrangeiras Modernas. Atuando principalmente nos seguintes temas: identidade étnica, Invenção de tradição, Cultura, xamanística, história da imigração de okinawa e comunidade étnica. Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/8211040713593291.

    Fora de São Paulo

    • Hélion Povoa – UFRJ, coordenador NiemRJ
    • Reinaldo Fleuri – UFSC, presidente ARIC
    • Ademir Pacelli – UERJ, diretor Instituto Psicologia


    Fora do Brasil

    • Jeffrey Lesser – Historiador, Emory University, U.S.A.
    • Lorenzo Agar – Sociólogo, Universidade do Chile, Ministério da Saúde do Chile
    • Christina Mehrtens – University of Massachusetts at Amherst, U.S.A.
    • Judy Kuriansky – Columbia University, U.S.A.