Você está aqui: Página Inicial / NOTÍCIAS / 2º Congresso de História da Ciência e da Técnica traz especialista em Leonardo da Vinci

2º Congresso de História da Ciência e da Técnica traz especialista em Leonardo da Vinci

por Mauro Bellesa - publicado 19/03/2019 09:33 - última modificação 19/03/2019 09:33

O Centro Interunidades de História da Ciência (CHC) da USP e o Grupo de Pesquisa Khronos: História da Ciência, da Epistemologia e da Medicina realizam, de 10 a 12 de abril, o 2º Congresso de História da Ciência e da Técnica: Desafios Contemporâneos.
Mario Taddei
Mario Taddei falará sobre os cadernos e projetos de Da Vinci

O professor e designer Mario Taddei, um dos maiores especialistas nos códices (cadernos manuscritos ilustrados) e projetos de máquinas de Leonardo da Vinci, cujo 5º Centenário de morte será no dia 2 de maio, fará a conferência de abertura do 2º Congresso de História da Ciência e da Técnica, que acontece na USP de 10 a 12 de abril. Ele falará sobre Leonardo da Vinci: Modelos 3D e uma Nova Visão de seus Cadernos.

Especialista em multimídia e edutainment (entretenimento educacional), Taddei já elaborou vários projetos de instalações inovadoras para museus e criou em 2013 o Leonardo3 Museum, em Milão, inicialmente uma exposição temporária, mas renovada a todo ano desde então. Nela o público pode interagir com modelos em 3D das máquinas e outros objetos criados por Da Vinci.

O encerramento do congresso, no dia 12, terá outra conferência internacional, desta vez com o historiador da ciência Ronald Brashear, diretor da Biblioteca Othmer do Instituto de História da Ciência (SHI, na sigla em inglês), na Filadélfia, EUA. O tema de Brashear será Cultura Material, Arquivos e Fontes Documentais de História da Ciência e da Técnica.

Ronald Brashear
Ronald Brashear tratará de arquivos e fontes documentais

A biblioteca é dedicada à história da química e das ciências e atividades industriais a ela relacionadas.  O SHI é considerado uma das mais importantes instituições do mundo dedicadas à história das ciências. Voltado inicialmente à história da química, o instituto ampliou seus interesses ao longo do tempo para a engenharia química e as ciências da vida. Além de um museu de ciências e da Biblioteca Othmer, o SHI possui diversas coleções e arquivos, um instituto de pesquisa e um centro de conferências.

Tema

Desafios Contemporâneos é o tema do 2º Congresso de História da Ciência e da Técnica, que terá 340 inscritos e a apresentação de 260 trabalhos. Os organizadores são o Centro Interunidades de História da Ciência (CHC) da USP e o Grupo de Pesquisa Khronos: História da Ciência, da Epistemologia e da Medicina, sediado no IEA.

Além das conferências de Taddei e Brashear e das sessões de apresentação de trabalho e pôsteres, o congresso terá três mesas-redondas: Problemas e Temas da Historiografia da Ciência e Técnica; Desafios dos Institutos Públicos de Pesquisa; e Políticas de C&T e os Museus Científicos.

Segundo o coordenador geral do congresso, o historiador da ciência Gildo Magalhães, diretor do CHC-USP e coordenador do grupo de pesquisa do IEA, é preciso tornar mais conhecida a história da ciência e da técnica no Brasil, pois “esse olhar para o passado permitir refletir sobre o futuro, sobre o desenvolvimento científico e tecnológico desejado para o país”.

Educação

Isso é fundamental diante do momento cultural e educacional que o país atravessa, afirma Magalhães.  “Essa preocupação se reflete entre os pesquisadores, pois grande número de trabalhos inscritos está relacionado com a educação. Espera-se que a difusão da história da ciência e da técnica contribua com a melhoria educacional e eleve o padrão de ensino do país.”

Algumas discussões do congresso tratarão da importância dos museus históricos e de ciência tanto para a pesquisa quanto por seu aspecto educacional. O incêndio do Museu Nacional, em 2018, o da coleção de cobras, aranhas e escorpiões do Instituto Butantan, em 2018, e as dificuldades orçamentárias e de instalações de vários outros museus, inclusive da USP, demonstram o quanto essas instituições carecem de maior atenção pelos responsáveis governamentais, destaca Magalhães.

Quanto à formação de novos pesquisadores, ele afirma que a USP foi pioneira na institucionalização da história de ciência na academia, formando vários mestre e doutores - “muitos dos quais se tornaram referência para novos núcleos de pesquisa em outras partes do país” -, mas estava perdendo terreno nessa atividade. “Agora, com o CHC revitalizado, produzindo publicações eletrônicas e realizando congressos, novos quadros serão formados. Do primeiro congresso, em novembro de 2017, para o deste ano, triplicou o número de inscritos, o que demonstra o interesse crescente por essa área de pesquisa.”

O congresso será realizado no Anfiteatro Nicolau Sevcenko do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, Cidade Universitária, São Paulo. A participação é aberta a todos os interessados, mas apenas os inscritos receberão certificado. Quem não puder comparecer terá a oportunidade de assistir ao vivo às conferências e mesas-redondas pela página www.iea.usp.br/aovivo.


2º Congresso de História da Ciência e da Técnica: Desafios Contemporâneos

10 a 12 de abril
Anfiteatro Nicolau Sevcenko, Prédio de Geografia e História, rua Prof. Lineu Prestes, 338,  térreo, Cidade Universitária, São Paulo
Para assistir às conferências e mesas-redondas ao vivo pela internet não é preciso se inscrever
Mais informações: com Cláudia Regina Pereira (clauregi@usp.br), telefone (11) 3091-1686
Página do evento

Fotos (a partir do alto): arquivo pessoal de Mario Taddei; Instituto de História da Ciência/EUA