Você está aqui: Página Inicial / NOTÍCIAS / Seminário discute a importância da pesquisa para o combate à violência contra a mulher

Seminário discute a importância da pesquisa para o combate à violência contra a mulher

por Mauro Bellesa - publicado 31/07/2018 11:20 - última modificação 06/08/2018 17:14

O Grupo de Pesquisa Direitos Humanos, Democracia, Política e Memória e o USP Mulheres realizam, no dia 23 de agosto, às 14h, o seminário "Acesso à Informação e Violência contra as Mulheres".

Violência contra a mulherA violência contra as mulheres por razões de gênero continua apresentando níveis alarmantes e escalas crescentes de gravidade, sem que haja informações suficientes para avaliar onde as políticas e leis falham e como podem ser aprimoradas, avalia a socióloga Wânia Pasinato, assessora do USP Mulheres.

Para tratar da produção de pesquisas científicas como eixo estruturante das políticas de enfrentamento à violência contra as mulheres, o Grupo de Pesquisa Direitos Humanos, Democracia, Política e Memória do IEA e o USP Mulheres realizam, no dia 23 de agosto, às 14h, o seminário Acesso à Informação e Violência contra as Mulheres.

Os expositores serão o sociólogo Manuel Lisboa, da Universidade Nova de Lisboa, Portugal, e o economista José Raimundo Carvalho, da Universidade Federal do Ceará. A coordenação será de Wânia Pasinato, que integra também o grupo de pesquisa.

O evento é público e gratuito, com inscrição prévia. Não há necessidade de inscrição para assistir à transmissão ao vivo pela internet.

Experiências de pesquisa

O encontro terá como referências a experiência portuguesa do Observatório Nacional de Violência e Gênero (ONVG) da UNL, coordenado por Lisboa, e a Pesquisa  de Condições Socioeconômicas e Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher (PCSVDFMulher), coordenada por Carvalho e realizada por: Programa de Pós-Graduação em Economia (Caen) da UFC; Laboratório de Econometria e Otimização (Leco), também da UFC; Instituto Maria da Penha; e Instituto de Estudos Avançados em Toulouse, França.

Segundo Wânia, o objetivo do evento é refletir sobre a contribuição das pesquisas científicas para conhecimento da violência contra as mulheres com base no gênero em suas dimensões sociológicas e políticas. "Serão explorados também os aspectos éticos da pesquisa com mulheres em situação de violência e a importância da colaboração das universidades no planejamento e implementação dessas políticas, com a elaboração de diagnósticos, desenho de indicadores para monitoramento e avaliação com base em evidências robustas e elaboradas a partir de metodologias cientificamente testadas, replicáveis e acessíveis."

Falta de dados

Em 2013, o Relatório Final da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito sobre Violência Contra a Mulher, produzido pelo Senado Federal, concluiu que um dos grandes desafios do país no tema refere-se às lacunas na produção de dados e indicadores, de acordo com a socióloga. "O tema está previsto nos documentos internacionais de direitos humanos e, desde 2003, com a criação da Secretaria Nacional de Políticas para Mulheres, a discussão foi colocada na agenda política do governo federal."

A proposta de criação de um sistema nacional de dados sobre violência contra as mulheres, reunindo informações de todos os setores da política de enfrentamento à violência, permaneceu na pauta de discussões da secretaria, "embora nunca tenham sido encontradas saídas exitosas para sua implementação", afirma Wânia. Ações e metas relativas à produção de dados e sistemas de informações também foram incorporadas nos Planos Nacionais de Políticas para Mulheres (2004-20072008-20112012-2015), acrescenta a pesquisadora.

Na Lei Maria da Penha, "a produção de dados pode ser descrita como um quarto eixo de medidas a serem adotadas ao lado de medidas de prevenção, proteção e responsabilização em casos de violência doméstica e familiar". Wânia destaca que a lei recomendou a criação do Cadastro Nacional de Violência Doméstica, instituído em 2016 pelo Conselho Nacional do Ministério Público.

Para ela, o cadastro nacional será uma ferramenta importante para a gestão das informações relativas à Lei Maria da Penha, "apesar de insuficiente para que o Brasil dê por cumprido seu dever na produção de informações e indicadores para a avaliação das leis e políticas".

Relacionado

Outros eventos

Expositores

Além de dirigir o ONVG, Manoel Lisboa é também coordenador dos mestrados em sociologia e em estudos sobre as mulheres na UNL e pesquisador do Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais (CICS.Nova), da mesma universidade. No centro, já coordenou mais de 25 projetos de pesquisa nas áreas da violência contra a mulheres, doméstica e de gênero, alguns deles pioneiros em Portugal e no contexto europeu. Lisboa integra o Conselho Técnico-Científico da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Gênero (CIG) do governo português e atua como perito em três iniciativas internacionais: no âmbito da força tarefa de combate à violência doméstica e contra a mulher do Conselho da Europa; no Instituto Europeu para a Igualdade de Gênero; e na seção sobre violência contra as mulheres do projeto Diálogos Setoriais: Brasil e União Europeia.

Mestre em economia pela UFC e doutor na mesma área pela Universidade Estadual da Pensilvânia, EUA, José Raimundo Carvalho é professor no curso de pós-graduação em economia da UFC, onde também coordena o Leco e a PCSVDFMulher. Sua experiência acadêmica situa-se nas áreas de econometria, economia e análise estatística criminal, com atuação principalmente em microeconometria, mercado de trabalho, avaliação econométrica de programas socioeconômicos, economia da educação, segurança pública, análise criminal, violência doméstica e de gênero, economia do crime e desenho de pesquisas e questionários socioeconômicos e de vitimização.


Acesso à Informação e Violência Contra as Mulheres
23 de agosto, 14h
Sala Alfredo Bosi, rua da Praça do Relógio, 109, térreo, Cidade Universitária, São Paulo
Evento gratuito e aberto a todos os interessados, mediante inscrição prévia
Para assistir ao vivo pela internet não é preciso se inscrever
Mais informações: com Sandra Sedini (sedini@usp.br), telefone (11) 3091-1678
Página do evento

Foto: Tijana Bonsjakov/Pexels