Você está aqui: Página Inicial / NOTÍCIAS / Rede IEA

Rede IEA

por Aziz Salem - publicado 08/08/2016 14:40 - última modificação 14/01/2020 11:32

Diretor, vice-diretora e vários pesquisadores do IEA agora são articulistas do Jornal da USP

por Mauro Bellesa - publicado 19/08/2022 12:25 - última modificação 23/08/2022 10:31

O diretor do IEA, Guilherme Ary Plonski, a vice-diretora, Roseli de Deus Lopes, e quatro pesquisadores do Instituto fazem parte da seção Articulistas, lançada este mês pelo Jornal da USP. Eles contribuirão com artigos mensais para o jornal, ao lado de outros professores e pesquisadores da Universidade.

Os pesquisadores do IEA participantes da seção são: Marcos Buckeridge, coordenador do Centro de Síntese USP Cidades Globais; Lourdes Sola, professora sênior do Instituto; Gislene Aparecida dos Santos, coordenadora do Grupo de Pesquisa das Periferias (nPeriferias); e Elaine Santos, pós-doutoranda no Centro de Síntese USP Cidades Globais.

Já contribuíram com a seção Plonski, com o artigo "Avançados em quê?", Gislene Aparecida, com o texto "A metáfora do trem e políticas públicas para equidade de gênero", e Elaine, com o artigo "A liberação do mercado de lítio no Brasil: qual é a estratégia?".

Estudos avançados

Guilherme Ary Plonski - 1
Guilherme Ary Plonski

Em seu primeiro artigo, Plonski trata do tom adequado para avaliação do papel dos IEAs e das universidades. Ele informa que irá compartilhar, em seus artigos mensais, reflexões sobre o valor da universidade e, em particular, inquirir sobre o papel dos institutos de estudos avançados ligados a instituições universitárias.

Ele é professor titular do Departamento da Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA), professor associado do Departamento de Engenharia de Produção da Escola Politécnica (EP), coordenador científico do Núcleo de Política e Gestão Tecnológica e vice-coordenador do Centro de Inovação da USP.

Foi diretor superintendente do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT), presidente da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec) e coordenador da rede internacional de Institutos de Estudos Avançados Vinculados a Universidades (Ubias, na sigla em inglês), da qual o IEA faz parte.

Gislene Aparecida dos Santos - 1
Gislene Aparecida dos Santos

Igualdade racial

No artigo que inicia sua participação no Jornal da USP, Gislene Aparecida afirma que, "para a equidade racial e o aumento da representatividade negra, o que importa não é o que cada um entende ser e sim o modo como é visto pelos outros (a sociedade) e o que essa mesma sociedade, com suas hierarquizações, estabelecerá, a priori, como papéis adequados para o grupo de pessoas com o mesmo fenótipo".

Gislene Aparecida é professora associada do curso Gestão de Políticas Públicas da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (Each) e leciana também no Programa de Pós-Graduação em Direitos Humanos da Faculdade de Direito (FD).

Além do nPeriferias, ela coordena o Grupo de Estudos e Pesquisas das Políticas Públicas para a Inclusão Social (Geppis) da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (Each). É especialista em direitos humanos, estudos decoloniais, equidade racial e de gênero, diversidade, discriminação racial, racismo e políticas públicas para grupos socialmente vulneráveis.

Elaine SantosIndústria de lítio

Segundo Elaine, o Brasil tem potencial para ser um dos grandes produtores de lítio (metal alcalino importante para a produção de baterias recarregáveis). Ela lembra que, para estabelecer sua indústria de lítio, o país deixou a cargo da Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen) as atividades de industrialização, importação e exportação de minerais de lítio e seus derivados, legislação revogada em julho pelo Decreto 11.110. Para ela, no entanto, o foco da estratégia brasileira “deveria estar na criação de uma cadeia de valor e na competitividade do lítio e não na liberalização do mercado”.

Elaine é socióloga e licenciada em geografia. Fez seu mestrado em energia na Universidade Federal do ABC e o doutorado na Universidade de Coimbra, Portugal. Atualmente é pós-doutoranda do Centro de Síntese USP Cidades Globais, no qual pesquisa os impactos da transição energética no Brasil e em Portugal a partir da exploração de matérias-primas consideradas estratégicas. Entre seus temas de discussão está a relação entre ciências naturais e geopolítica.

Fotos (a partir do alto): 1 e 2, Leonor Calasans/IEA-USP; 3, arquivo pessoal de Elaine Santos

Em novo livro, Zé Pedro Costa traça um panorama histórico das florestas brasileiras

por Beatriz Herminio - publicado 02/08/2022 15:25 - última modificação 05/08/2022 11:40

Capa do livro - Uma História das florestas brasileirasUma história das florestas brasileiras apresenta um panorama das etapas da ocupação do território brasileiro a partir da derrubada de sua vegetação original. Em pré-venda, o livro de autoria de Zé Pedro de Oliveira Costa, vice-coordenador do Grupo de Pesquisa Amazônia em Transformação, é publicado pela editora Autêntica e estará disponível a partir de 19 de agosto.

A expansão econômica do Brasil se deve, principalmente, à exploração de recursos naturais. Neste livro, Zé Pedro aborda desde a derrubada das matas litorâneas para a implantação dos canaviais, no século 16, até a acelerada destruição da floresta amazônica no século 20, chegando à "fúria destrutiva crescente" do século 21.

O autor busca analisar algumas questões como, por exemplo, se o suposto desenvolvimento imposto desde a colonização tem trazido vantagens econômicas e sociais para a maioria da população no longo prazo e, ainda, a quem cabe impedir que a ocupação do território seja feita de forma cada vez mais agressiva ao meio ambiente.

Ao mesmo tempo que aponta caminhos para um futuro ecologicamente promissor – no qual intervenções à natureza serão realizadas "com respeito aos indígenas, à fauna, à flora e às comunidades tradicionais que habitam, trabalham e vivem das matas" –, o autor alerta sobre as consequências da devastação, as quais serão irreversíveis se não houver ações imediatas de preservação.

A obra traz depoimentos de Drauzio Varella, Fernando Gabeira, Sonia Braga e Fabio Feldmann. Com capa assinada por Sebastião Salgado, tem mais três fotos de sua autoria que ilustram desde o dia a dia dos povos indígenas à exuberância das matas brasileiras.

O autor

Zé Pedro é professor aposentado da Universidade de São Paulo, foi o primeiro secretário de Meio Ambiente do Estado de São Paulo e, por duas vezes, secretário nacional de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente. No IEA, é vice-coordenador do Grupo de Pesquisa Amazônia em Transformação: História e Perspectivas e integra o Grupo de Pesquisa Meio Ambiente e Sociedade.

É graduado em arquitetura e urbanismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (1968), mestre em planejamento ambiental pela Universidade da Califórnia, em Berkeley, EUA (1979), e doutor em arquitetura e urbanismo pela USP (1987). Escreveu "Aiuruoca" (Edusp), "Circumscapes & Promenades" (UCB) e "Desenhos Musicados" (Massao Ohno), entre outros livros e artigos.

Colóquio debate questões ambientais nas eleições presidenciais do Brasil

por Beatriz Herminio - publicado 26/07/2022 13:45 - última modificação 26/07/2022 13:45

Nos dias 15 e 16 de setembro acontece o colóquio "Questões ambientais no contexto das próximas eleições presidenciais no Brasil: avaliação e perspectivas" no Campus Condorcet (Aubervilliers, França). Os interessados em participar do evento, de forma presencial ou online, devem preencher o formulário de inscrição até 14 de setembro. O evento será realizado em português, com tradução simultânea para o francês.

A organização é do Institut des Amériques (IdA), com sede no IEA, e do Centre de Recherche et de Documentation sur des Amériques (CREDA), em parceria com a Associação de Pesquisa sobre o Brasil na Europa (ARBRE), a Red Políticas Públicas y Desarrollo Rural en América Latina y el Caribe (Red PP-AL) e o Pôle de recherche pour l'organisation et la diffusion de l'information géographique de l’Université Paris 1 (PRODIG, Paris 1).

Com as eleições brasileiras marcadas para outubro de 2022, o colóquio propõe uma análise do mandato do atual presidente da República, Jair Bolsonaro, e dos efeitos de sua atuação sobre questões ambientais a partir de um debate entre pesquisadores de diversas áreas. Durante a campanha eleitoral de 2018, Bolsonaro, então candidato, afirmou que "nem um centímetro a mais [seria demarcado] para terras indígenas". "Mais de três anos depois de ter sido eleito, poucos são os que defendem a atuação do governo sobre as questões ambientais, amplamente criticada no Brasil e internacionalmente", afirmam os organizadores.

Os temas a serem debatidos passam pelas teorias da conspiração propagadas no início do governo Bolsonaro, a agenda climática e relação com o agronegócio, com a Amazônia Legal e com os povos tradicionais, o desmantelamento das capacidades estatais no setor ambiental do país, a agroecologia e conservação ambiental, perspectivas no contexto das próximas eleições, entre outros tópicos.

A programação completa pode ser acessada aqui.


Nílson Machado é o novo membro titular da Academia Paulista de Educação

por Beatriz Herminio - publicado 25/07/2022 14:35 - última modificação 25/07/2022 14:37

Nílson José Machado - Literatura e matemática
Foto: Leonor Calasans/IEA-USP
No dia 8 de agosto, às 17h, Nílson José Machado tomará posse como membro titular da Academia Paulista de Educação (APE). O professor terá a cadeira 22, antes ocupada por Amélia Americano Domingues de Castro e cujo patrono é Padre Manoel da Nóbrega.


Nílson Machado é coordenador adjunto e foi coordenador acadêmico da Cátedra Alfredo Bosi de Educação Básica, originada a partir do Grupo de Estudos Educação Básica Pública Brasileira: Dificuldades Aparentes, Desafios Reais, o qual Machado coordenou. Entre 1993 e 1994, foi professor visitante do IEA, atuando no projeto Educação para a Cidadania.

Professor titular da Faculdade de Educação da USP, graduou-se em Matemática na mesma instituição e é mestre em História e Filosofia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1981) e doutor em Filosofia da Educação pela USP (1989). Com cerca de vinte livros para crianças publicados, ele tem nas interfaces entre a Epistemologia e a Didática e entre a Ética e a Educação os principais temas de suas publicações atuais.

Fundada em 1970 por um grupo de educadores, a Academia Paulista de Educação é formada por 40 cadeiras, cada uma com um patrono e um titular eleito em Assembleia Geral. A academia organiza eventos educacionais, palestras e colóquios e participa de discussões e propostas de atividades educacionais, pedagógicas e escolares em todo Estado de São Paulo.

O evento de posse será realizado no Auditório Olavo Setubal do CIEE (Rua Tabapuã, 469 – 1º andar).


Revista abre chamada para submissão de artigos sobre obra de Saramago

por Beatriz Herminio - publicado 28/06/2022 12:05 - última modificação 28/06/2022 14:40

José Saramago
Foto: Fundação José Saramago
Até 31 de agosto, a Revista de Estudos de Cultura está com chamada aberta para submissão de artigos para o dossiê "O Evangelho Segundo Saramago".

Relacionado
  • Eventos:

O Evangelho Segundo Saramago - Parte 1 de 2

O Evangelho Segundo Saramago - Parte 2 de 2

Organizado por Jaime Bertoluci, do IEA, e Jean Pierre Chauvin, da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, o dossiê tem como proposta reunir contribuições de especialistas na obra de José Saramago e transformar em textos inéditos a série de palestras realizadas no IEA em 2021 durante as conferências “O Evangelho Segundo Saramago”. Os encontros foram realizados no contexto dos trinta anos de publicação da obra "O Evangelho Segundo Jesus Cristo", escrita pelo autor português.

Semestral, a Revista de Estudos de Cultura é um periódico do Núcleo de Estudos de Cultura da Universidade Federal de Sergipe (UFS) criado com o intuito de reunir pesquisadores das áreas de Ciências Humanas, Ciências Sociais e Aplicadas, Letras, Linguística e Artes para refletir sobre a cultura moderna e contemporânea.

Pesquisador do IEA participa como juiz e mentor do QBE AcceliCITY Resilience Challenge 2022

por Beatriz Herminio - publicado 17/05/2022 13:15 - última modificação 20/05/2022 09:10

Aloisio Pereira da SilvaO pesquisador do programa de pós-doutorado do Centro de Síntese USP Cidades Globais, do IEA, Aloisio Pereira da Silva, é um dos Juízes e Mentor no QBE AcceliCITY Resilience Challenge pelo segundo ano consecutivo. Essa é uma competição global que busca startups cujos projetos utilizam soluções de cidades inteligentes para lidar com riscos, equidade e sustentabilidade nos ambientes urbanos. Em 2022, foram enviadas propostas de 70 países. O projeto é desenvolvido pela Leading Cities em parceria com a QBE Norte America.

Aloisio Pereira é engenheiro civil, doutor em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e foi pesquisador visitante no Texas A&M Transportation Institute, nos EUA. Desde 1997 atua na área de infraestrutura urbana.

No IEA, sob a supervisão de Arlindo Philippi Junior, está desenvolvendo pesquisas na área de infraestrutura para cidades inteligentes. Com foco em redes enterradas mais sustentáveis e resilientes, as pesquisas incluem a criação de políticas públicas de governança e gestão, com modelo de negócio focado em eficiência e participação de recursos públicos e privados, e baseado em normas internacionais.

Sobre o desafio

O desafio foi desenvolvido para ajudar a acelerar inovações que promovem um mundo mais resiliente. Segundo Pereira, desde emergências de saúde pública e desastres naturais até mudanças econômicas e demográficas, as cidades devem enfrentar uma série de desafios complexos, tornando a resiliência essencial para superá-los.

O QBE AcceliCITY é uma das cinco principais aceleradoras de GovTech do mundo e serve como uma pista para provedores de soluções urbanas emergentes, ao mesmo tempo em que reduz o risco e o custo da inovação para as cidades.

Em 2021, o desafio recebeu mais de 500 propostas de startups de 44 países, das quais 50 foram selecionadas como semifinalistas e receberam dois meses de treinamento de especialistas globais. O anúncio da finalista foi feito durante o Smart City Boot Camp em Boston (EUA), com a entrega do prêmio para a Pharem Biotech, uma empresa de tecnologia limpa com uma abordagem eficiente e sustentável para o tratamento de água. Aloisio participou em 2021 como mentor, auxiliando as startups Zephframe, da Coreia do Sul, e Lup Colombia, que foi selecionada entre as 10 finalistas. Em 2020, o pesquisador participou com a Infracities na condição de startup selecionada, ficando entre os semifinalistas.

A Leading Cities, desenvolvedora do projeto, é uma organização global sem fins lucrativos com sede em Boston, e atividades em Dublin, Boston, Barcelona, ​​Rio de Janeiro, Lyon, Hamburgo, Lisboa, Zapopan, Vancouver e Haifa. Originalmente estabelecida em 2008 na Northeastern University, tornou-se uma organização independente que se expandiu além da pesquisa para promover a sustentabilidade e a resiliência do governo.

Foto: Leonor Calasans/IEA-USP

Carlos Nobre é eleito membro estrangeiro da Royal Society, a academia científica mais antiga do mundo

por Beatriz Herminio - publicado 12/05/2022 14:55 - última modificação 13/05/2022 10:18

Carlos Nobre membro da Royal SocietyCarlos Nobre, ambientalista e pesquisador colaborador do IEA, foi eleito membro estrangeiro da Royal Society, a academia nacional de ciências do Reino Unido e a academia científica mais antiga do mundo em existência contínua. Antes dele, o único brasileiro a figurar na lista era Dom Pedro II, imperador do Brasil, eleito em 1871 não como cientista, mas como membro da realeza.

Fundada em Londres em 1660, a academia tem como propósito reconhecer, promover e apoiar a excelência na ciência, encorajando seu uso e desenvolvimento para benefício da humanidade. Este ano foram eleitos 51 fellows e 10 membros estrangeiros. A seleção considera as notáveis contribuições para a ciência em termos de descobertas e realizações.

Para a Royal Society, Nobre “é reconhecido por seu trabalho sobre as interações biosfera-atmosfera e os impactos climáticos do desmatamento da Amazônia e por sua liderança em programas que moldaram a ciência brasileira".

Há três décadas ele alerta para a possibilidade de "savanização" da Amazônia como consequência dos desmatamentos. Seus estudos avaliam como o aquecimento global pode influenciar a floresta tropical.

No IEA, desenvolve o projeto Amazônia 4.0, que busca promover oportunidades de pesquisa, tecnologia e aprendizado para valorizar e proteger os ecossistemas amazônicos e servir aos interesses das populações locais e de povos indígenas e tradicionais.

Ele participou de vários relatórios do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas da ONU (IPCC), e foi um dos autores do 4º Relatório de Avaliação da organização que recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 2007. É membro titular da ABC, TWAS e Membro estrangeiro da National Academy of Science (NAS).

Já foi presidente da Capes, diretor do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) e secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). Atualmente é coordenador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Mudanças Climáticas.

Foi chefe do Centro de Ciência do Sistema Terrestre (CCST-INPE) e coordenador geral do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC-INPE). Presidiu o International Geosphere-Biosphere Programme (IGBP) e o Conselho Diretor da Rede Brasileira de Pesquisas sobre Mudanças Climáticas e preside o Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas.

Foto: Leonor Calasans/IEA-USP

Helena Nader é a primeira mulher eleita presidente da Academia Brasileira de Ciências

por Mauro Bellesa - publicado 30/03/2022 10:30 - última modificação 30/03/2022 10:33

Helena Nader - presidente da ABC Nesta terça-feira, 29 de março, a biomédica Helena Nader foi eleita presidente da Academia Brasileira de Ciências (ABC). Professora da Unifesp e ex-titular da Cátedra Olavo Setubal de Arte, Cultura e Ciência (parceria do IEA com o Itau Cultural), Nader é a primeira mulher a ocupar a presidência da ABC nos 106 anos da instituição.

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo publicada hoje, 30 de março, ela afirmou que atuará na presidência da ABC em favor da "reconstrução da educação brasileira, desde o ensino pré-escolar até o superior".

Quanto ao foto de ser a primeira mulher a presidir a ABC, disse "não significar uma mudança propriamente, mas um reconhecimento para a sociedade de como chegamos lá". Na mesma entrevista, Nader criticou os cortes de verbas para a ciência e defendeu o reajuste das bolsas de pós-graduação, a parceria público-privada no investimento em ciência e a laicidade no sistema educacional.

Professora titular da Unifesp e bolsista de produtividade do CNPq (nível 1A), Nader é também membro titular da Academia de Ciências do Estado de São Paulo (Aciesp). Ela graduou-se em ciências biomédicas pela Unifesp e em biologia pela USP. Obteve o titulo de doutora em ciências biológicas pela Unifesp e cumpriu programa de pós-doutorado na Universidade do Sul da Califórnia, EUA. Foi copresidente da Rede Interamericana de Academias de Ciências (Ianas, na sigla em inglês), vice-presidente da ABC e presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

As pesquisas de Nader envolvem glicoquímica e glicobiologia, estando voltados para o estudo da estrutura e e da função biológica dos proteoglicanos heparina e heparam sulfato, especialmente quanto ao papel desses compostos na hemostasia, no controle da divisão celular e na transformação celular.

Foto: Leonor Calasans/IEA-USP

Pesquisa do grupo nPeriferias e da EACH embasa livro sobre a história de mulheres imigrantes

por Beatriz Herminio - publicado 22/02/2022 16:00 - última modificação 22/02/2022 16:00

Livro EACH
Ilustração de capa do livro Mulheres vizinhas de terras distantes
No dia 3 de fevereiro foi lançado o livro "Mulheres vizinhas de terras distantes", publicado pelo IdeiaSUS/Fiocruz. A publicação é resultado do estudo "Saúde Perinatal em Imigrantes Grávidas: Compreendendo e Intervindo no Contexto Familiar", uma parceria entre a USP e a Universidade do Porto, e é produto de uma colaboração entre os Grupos de Pesquisa "Mulher & Saúde: Violência doméstica no período gravídico puerperal", da EACH, e "nPeriferias", do IEA.

Com a temática da atenção à saúde da mulher imigrante, o livro aborda a história de três mulheres gestantes, imigrantes e vítimas de violência que sonham com um futuro melhor para seus filhos, encarando diferentes tipos de preconceitos e discriminações. O livro é de autoria de Dora Salcedo Barrientos, docente do curso de Obstetrícia da EACH-USP e integrante do nPeriferias; Vitória Gabriela Picolo (EACH-USP), Michele Barros de Souza Simões (UNIFESP), Jadson Marques Dantas (EACH-USP), Nathalya Tavares dos Santos (EACH-USP), Cintia Magalhães Neia (USP) e Stefanie Sussai (USP).

Na transmissão de lançamento, os participantes agradeceram ao nPeriferias por "todo o apoio e espaço gerador de ideias e discussões". O grupo investiga as periferias no que diz respeito às violências e estigmatizações sofridas por grupos periféricos, com o objetivo de produzir trabalhos que tenham impacto social e desenvolvam novas teorias e conhecimentos junto às pessoas que vivem as realidades sociais estudadas.

Mais informações sobre o lançamento podem ser encontradas aqui.


Colóquio sobre questões ambientais nas eleições tem chamada aberta para exposição de trabalhos

por Beatriz Herminio - publicado 01/02/2022 14:35 - última modificação 01/02/2022 14:46

Chamada para Colóquio questões ambientais
Políticas ambientais de governo Bolsonaro serão debatidas em colóquio que acontece em setembro de 2022

O Pólo Brasil do Institut des Amériques (IdA) abre chamada de trabalhos para colóquio a ser realizado nos dias 15 e 16 de setembro sobre o tema "Questões ambientais nas próximas eleições presidenciais no Brasil: avaliações e perspectivas".

O evento acontece das 13h45 às 18h30 (CET), em formato online, para permitir a participação do público e dos palestrantes brasileiros, e presencial, no Campus Condorcet (Aubervilliers, França). A organização é parceria do IdA com o Centre de Recherche et de Documentation sur des Amériques (CREDA) e a Associação de Pesquisa sobre o Brasil na Europa (ARBRE).

Pesquisadores interessados em contribuir com a discussão poderão enviar suas propostas até 14 de fevereiro de 2022, acompanhadas de um resumo em português ou em francês, para jebresil2022@gmail.com.

O resumo deve ter no máximo 600 palavras e conter título, assunto, metodologia, principais resultados, palavras-chave e referências bibliográficas. As apresentações deverão ter entre 15 e 20 minutos.

Os autores precisam indicar afiliação institucional e disciplina e fornecer uma biografia de no máximo 10 linhas destacando sua experiência. Além disso, terão que comunicar se poderão financiar sua participação nas datas indicadas. A prioridade para frequentar o campus será para os pesquisadores residentes na Europa.

O comitê organizador indicará os resumos selecionados em meados de março e os proponentes terão até maio de 2022 para fornecer a última versão de seu trabalho, que aparecerá no programa do evento.

Sobre o tema

O Colóquio propõe abrir a discussão entre pesquisadores de diversas disciplinas com análises do mandato do presidente Jair Bolsonaro e dos efeitos de sua atuação sobre questões ambientais. As contribuições poderão enfatizar as dinâmicas sociais e políticas em jogo, como as relações de poder, estratégias, conflitos e resistências ou, ainda, uma análise com perspectiva histórica ampla.

Os trabalhos buscarão identificar continuidades e rupturas, avanços e retrocessos e desafios em vários contextos e escalas, além de novas perspectivas ambientais colocadas pela eleição presidencial marcada para outubro deste ano.

Os organizadores buscam propostas baseadas em análise de dados; pesquisas de campo ou no estudo de estruturas institucionais, de políticas públicas ou de atividade legislativa e judicial.

Como exemplo, as contribuições podem abordar os seguintes temas:

  • Questões climáticas e engajamento brasileiro

  • Lobby e defesa das pastas da agricultura e do meio ambiente

  • Desmantelamento de políticas ambientais (ou tentativas de desmonte)

  • Meio ambiente, mobilização da sociedade civil e movimentos sociais

  • Produção, uso e difusão de dados ambientais

  • Relações entre o Estado federal e entes federativos na gestão ambiental

  • Meio ambiente, relações internacionais e comércio

  • O meio ambiente durante a crise de Covid-19

  • Questões ambientais na nova campanha presidencial